O "milagre" de Davide Capello. Guarda-redes sobreviveu à queda do viaduto em Génova

"Caí com a ponte. Não sei como me salvei", confessou o jogador ao jornal La Repubblica.

Davide Capello sobreviveu à queda de parte da Ponte Morandi, que esta terça-feira matou mais de 20 pessoas, em Génova. "Caí com a ponte. Não sei como me salvei", desabafou o guarda-redes de 33 anos, ex-atleta do Cagliari, atualmente a jogar no Legino Calcio, clube amador da cidade.

Em declarações ao jornal La Repubblica, ainda no hospital, o jogador contou como tudo aconteceu. "Primeiro ouvi um estrondo, um ruído forte, depois caiu tudo. Vi a estrada descer e o carro a descer com ela. Foi uma queda de uns 30 metros acho. Eu estava lúcido e chamei imediatamente os bombeiros, depois liguei à minha família, foi chocante, foi um milagre, não sei como saí vivo e sem um arranhão...", contou Capello.

Depois tomou noção do que aconteceu. "Parecia uma cena de um filme, uma coisa apocalíptica". Por isso, o guarda-redes não pode se não sentir-se muito "afortunado" por ter sobrevivido a uma tragédia que "vai marcar Génova para sempre".

Capello contou ainda que na altura da queda "chovia muito". "Não percebi se a ponte foi atingida por um raio ou não, só tenho uma memória na cabeça: a estrada a cair."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.