O melhor edifício do mundo é uma escola feita de madeira no Brasil

Os arquitetos da Aleph Zero reconstruíram a escola para proporcionar um lar mais acolhedor aos alunos que ali vivem

A escola da Fazenda Canuanã, em Formoso do Araguaia, Brasil, foi considerada o melhor edifício do mundo pelo Instituto Real de Arquitetos Britânicos. Os designers optaram por usar materiais presentes na natureza que envolve a instituição, como madeira, terra e tijolos para criar um espaço onde os quase 800 alunos da escola se sentissem em casa, uma vez que é ali que estes estudantes vivem.

A escola, construída em 1970, tem alunos entre os sete e os 17 anos, que vivem num dormitório dentro da escola. Em 2016, a Fundação Bradesco decidiu que queria proporcionar um ambiente mais acolhedor para as crianças que ali vivem e contactou os jovens arquitetos da Aleph Zero. A empresa aceitou o desafiou e arquiteto Marcelo Rosenbaum ficou responsável pelo projeto.

"Nós escolhemos os arquitetos precisamente porque eles não são daqueles que pensam que sabem tudo", explicou a diretora da Fundação Bradesco, Denise Aguiar, citada pelo jornal The Guardian. "Nós não sabíamos o que queiramos, mas os designers pareciam saber e ouviram o que é que os estudantes queriam em vez de imporem as suas ideias".

Os arquitetos começaram por ficar dez dias no local, onde conheceram cerca de 540 estudantes para entenderem melhor as preocupações de quem mora na escola da Canuanã. Queriam essencialmente uma escola mais fresca, porque no verão a temperatura chega ao 38º. Agora, por causa dos materiais usados, os alunos nem tem de usar o ar condicionado.

"O desafio foi convencer os alunos e os professores de que os materiais locais - terra, tijolos e madeira - poderiam representar progresso e que ser moderno não tem de significar vidro, aço e ar condicionado", explicou Gustavo Utrabo, um dos fundadores da Aleph Zero ao The Guardian.

Este não é o primeiro prémio que a equipa conquista com o projeto da escola. Em fevereiro, venceram o prémio de Melhor Edifício de Arquitetura Educacional no ArchDaily Building Of The Year.

Da lista dos finalistas ao prémio de arquitetura britânico faziam ainda parte o edifício central da Universidade Europeia em Budapeste, a escola de música Toho Gakuen em Tóquio e o edifício residencial Bosco Verticale, em Milão, conhecido como a "primeira floresta vertical do mundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.