O labrador terapeuta que ajudou as vítimas de Larry Nassar

O cão de terapia começou a carreira ao lado de crianças vítimas de abuso. A sua presença é importante para acalmar e acarinhar as testemunhas

Um labrador chamado Preston tem sido o grande apoio das 158 vítimas de abuso sexual por parte ex-médico da seleção norte-americana de ginástica, Larry Nassar. O animal é um cão de terapia e desde 2016 que ajuda crianças vítimas de abusos sexuais quando estas são chamadas a testemunhar, sentando-se ao lado delas e transmitindo-lhes carinho e confiança.

Nos últimos dias, Preston tem estado sentado à porta da sala do tribunal de Ingham, onde decorre a audiência de Nassar, apesar de ser a primeira vez que se vê rodeado de centenas de pessoas que querem assistir ao mediático julgamento.

O cão é um Labrador retrevier com dois anos, preto, e que no dia do julgamento usou uma pequena gravata azul. É uma presença que transmite calma às vítimas, e que as acompanha com o objetivo de lhes dar "amor incondicional", nas palavras de Samantha Ursch, uma das ginastas que testemunhou na semana passada. Ursh foi vítima de Nassar em 2011, quando era ginasta na Universidade do Michigan.

"Ter o Preston aqui foi uma alegria. Ele procura mesmo confortar as pessoas", disse a jovem, citada pelo ABCNews.

Ashley Vance, treinadora do cão, contou que a carreira do animal teve início num centro de advocacia infantil para crianças que sofrem de abusos sexuais, o Small Talk Children"s Assessment Center, em Lansing. A presença de Preston tem feito as crianças voltarem mais vezes ao centro, onde testemunham sobre os abusos sofridos.

Larry Nassar já tinha sido condenado, em dezembro, a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil.

A juíza Rosemarie Aquilina, que conduziu este novo julgamento, condenou o ex-médico da seleção de ginástica a 175 anos de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.