O labrador terapeuta que ajudou as vítimas de Larry Nassar

O cão de terapia começou a carreira ao lado de crianças vítimas de abuso. A sua presença é importante para acalmar e acarinhar as testemunhas

Um labrador chamado Preston tem sido o grande apoio das 158 vítimas de abuso sexual por parte ex-médico da seleção norte-americana de ginástica, Larry Nassar. O animal é um cão de terapia e desde 2016 que ajuda crianças vítimas de abusos sexuais quando estas são chamadas a testemunhar, sentando-se ao lado delas e transmitindo-lhes carinho e confiança.

Nos últimos dias, Preston tem estado sentado à porta da sala do tribunal de Ingham, onde decorre a audiência de Nassar, apesar de ser a primeira vez que se vê rodeado de centenas de pessoas que querem assistir ao mediático julgamento.

O cão é um Labrador retrevier com dois anos, preto, e que no dia do julgamento usou uma pequena gravata azul. É uma presença que transmite calma às vítimas, e que as acompanha com o objetivo de lhes dar "amor incondicional", nas palavras de Samantha Ursch, uma das ginastas que testemunhou na semana passada. Ursh foi vítima de Nassar em 2011, quando era ginasta na Universidade do Michigan.

"Ter o Preston aqui foi uma alegria. Ele procura mesmo confortar as pessoas", disse a jovem, citada pelo ABCNews.

Ashley Vance, treinadora do cão, contou que a carreira do animal teve início num centro de advocacia infantil para crianças que sofrem de abusos sexuais, o Small Talk Children"s Assessment Center, em Lansing. A presença de Preston tem feito as crianças voltarem mais vezes ao centro, onde testemunham sobre os abusos sofridos.

Larry Nassar já tinha sido condenado, em dezembro, a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil.

A juíza Rosemarie Aquilina, que conduziu este novo julgamento, condenou o ex-médico da seleção de ginástica a 175 anos de prisão.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."