NY Times elege os Açores como um dos destinos para conhecer em 2019

Arquipélago português surge logo em nono lugar na lista dos 52 destinos para este ano. O jornalista Sebastian Modak vai percorrê-los a todos e começa por Porto Rico.

"No fresco oceano Atlântico, à distância de um voo de quatro horas a partir dos Estados Unidos, as ilhas vulcânicas subtropicais dos Açores, com lugares classificados como Património da Humanidades da UNESCO e biosferas, esperam por ser descobertas". É assim que começa a descrição do New York Times ao destino que ocupa a nona posição entre a lista dos 52 lugares para visitar em 2019 e que refere ainda restaurantes como a Casa do Abel, Otaka e a Tasquinha Veira.

No ano passado aquele jornal enviou pela primeira vez um viajante para um périplo pelos 52 lugares para visitar em 2018. O sucessor de Jada Yuan é o jornalista Sebastian Modak, vencedor de um concurso que recebeu candidaturas de todo o mundo. Este ano, a viagem começa em Porto Rico.

Veja a lista completa:

1º - Porto Rico

2º - Hampi (Índia)

3º - Santa Barbara (Califórnia, EUA)

4º - Panamá

5º - Munique (Alemanha)

6º - Eilat (Israel)

7º - Ilhas Setouchi (Japão)

8º - Aalborg (Dinamarca)

9º - Açores (Portugal)

10º - Cavernas de Gelo de Ontário (Canadá)

11º - Zadar (Croácia)

12º - Williamsburg (Virgínia. Estados Unidos)

13º - Las Vegas (Estados Unidos)

14º - El Salvador (Brasil)

15º - Danag (Vietname)

16º - Costalegre (México)

17º - Paparoa Track (Nova Zelândia)

18º - Puglia (Itália)

19º - Tatra Mountains (Eslováquia)

20º - Calgary (Canadá)

21º - Ihas Olkhon (Rússia)

22º - Huntsville (Alabama)

23º - Ilhas Malvinas

24º - Aberdeen (Escócia)

25º - Golfo Paradiso (Itália)

26º - Dessau (Alemanha)

27º - Tunis (Tunísia)

28º - Gambia

29º - Northern Rivers (Austrália)

30º - Ilhas Frisian (Holanda/ Alemanha/ Dinamarca)

31º - Nova Iorque (EUA)

32º - Chongli (China)

33º - Orcas Island (Washington, EUA)

34º - Uzbequistão

35º - Vestlandet (Noruega)

36º - Lyon (França)

37º - Doha (Qatar)

38º - Batumi (Geórgia)

39º - Marselha (França)

40º - Wyoming (EUA)

41º - Los Angeles (EUA)

42º - Dakar (Senegal)

43º - Perth (Austrália)

44º - Hong Kong

45º - Irão

46º - Houston (Texas, EUA)

47º - Columbus (Ohio, EUA)

48º - Plovdiv (Bulgária)

49º - Vevey (Suíça)

50º - Cádiz (Espanha)

51º - Vale do Elqui (Chile)

52º - Ilhas do Taiti

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.