Núcleo do Partido dos Trabalhores concentrou-se em Lisboa em apoio a Lula da Silva

O antigo presidente do Brasil está preso, condenado a 12 anos de cadeia pela Justiça brasileira, mas apresentou candidatura ao Planalto e é um dos 13 candidatos ao cargo agora ocupado por Temer.

Cerca de 80 pessoas marcaram presença esta quarta-feira, na Praça Luís de Camões em Lisboa, para apoiar a candidatura de Lula da Silva às presidenciais brasileiras. Uma iniciativa do núcleo de Lisboa do Partido dos Trabalhadores (PT), que ficou ainda marcada por alguns protestos de opositores de Lula, que passavam pelo local e que obrigaram a uma intervenção da polícia.

O antigo presidente do Brasil está preso, condenado a 12 anos de cadeia pela Justiça brasileira, num processo em que é acusado de ter recebido um apartamento de luxo na cidade litoral do Guarujá como suborno da construtora OAS, em troca de favorecer contratos desta empresa com a petrolífera estatal Petrobras.

Evonês Santos, representante do Núcleo do PT em Portugal, acredita que a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva "é um golpe para impedir que o PT volte a governar e deixar o Brasil nas mãos de potências económicas".

"Acredito firmemente na inocência de Lula. Até ao momento não há provas, o próprio Lula pede por provas. Não há fundamentos para o condenarem", afirmou à Lusa a representante do núcleo do PT.

Lula da Silva, de 72 anos, é o favorito em todas as sondagens de intenção de voto para as presidenciais do Brasil, que se realizam em outubro, arrecadando cerca de um terço das intenções de voto, o dobro de qualquer outro candidato dos, para já, 13 candidatos!

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.