Trump exige que New York Times revele nome de funcionário que escreveu artigo contra ele

Sob anonimato, um alto funcionário da Casa Branca publicou um texto de opinião no jornal em que garante que há muitos a contrariar políticas de Trump

"Uma coluna cobarde". Foi desta forma que o presidente dos Estados Unidos comentou o texto de opinião publicado esta quarta-feira pelo The New York Times em que, sob anonimato, um alto funcionário da Casa Banca garante que se esforça, com um amplo grupo de outros elementos, para anular algumas das políticas do presidente​​​​​​ que considera mais gravosas.

No Twitter, Trump já exigiu ao jornal que revele o nome do funcionário, "se aquele existir realmente", por razões de segurança nacional. "O chamado 'funcionário sénior da administração existe na realidade ou é apenas mais uma fonte falsa do fracassado New York Times? Se essa pessoa sem coragem existe, o Times, por uma questão de segurança nacional, devia revelar o seu nome ao governo", escreveu Donald Trump.

O artigo do funcionário da Casa Branca começa por sublinhar que o maior desafio que Trump enfrenta é que "muitos funcionários seniores da sua Administração estão a trabalhar diligentemente, por dentro, para frustrar parte dos seus objetivos e das piores tendências".

Esta é a primeira vez que o Times, que diz querer proteger a identidade da fonte para evitar a sua expulsão da Administração, publica um artigo de opinião de uma fonte que mantém o anonimato e que desvenda uma corrente contra o mandatário norte-americano dentro do próprio Governo.

O autor do texto esclarece que os seus esforços para anular algumas das iniciativas de Trump não partem de uma "resistência popular da esquerda".

"Queremos que a Administração tenha êxito e queremos que muitas das políticas tenham eco e que os EUA sejam mais seguros e prósperos", concretiza a fonte, sublinhando que o grupo de funcionários atua contra as políticas de Trump porque o presidente continua a atuar "em detrimento da saúde da República".

"Por ela, muitas das pessoas designadas por Trump juraram fazer o possível para preservar as nossas instituições democráticas", sublinha.

No texto refere-se que a raiz do problema da atual Administração norte-americana é a falta de moralidade do Presidente e sustenta-se que, apesar de ter sido eleito como representante do partido republicano, não defende as ideias dos conservadores, como a liberdade de pensamento ou a liberdade do mercado.

O presidente norte-americano criticou duramente a atitude do jornal nova-iorquino, enquanto a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, exigiu ao autor do texto que se "demita".

"Então o fracassado New York Times tem uma coluna anónima? Dá para acreditar? Anónima. O que quer dizer cobarde. Uma coluna cobarde", reagiu Donald Trump durante uma reunião na Casa Branca com dezenas de deputados de todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.