Portugal é salvação para menina guineense que bebeu soda cáustica

No hospital de Bôr, arredores de Bissau, menina de 3 anos espera para viajar até Portugal onde uma cirurgia lhe vai reconstruir o esófago destruído por soda cáustica que ingeriu. E há portugueses heróis pelo meio a ajudá-la.

A mãe de Nazaré não diz uma palavra, tanta é a aflição. Há quase dois anos que vê a filha, uma menina de 3 anos, ser alimentada por uma sonda diretamente para o estômago. Agora está no Hospital Pediátrico de São José em Bôr, nos arredores de Bissau, um pequeno complexo pintado de amarelo-torrado e ligado à Igreja Católica. "Tem estenose do esófago por ingestão de soda cáustica", explica-me Maria José Ferreira, que faz parte da Missão Saúde para a Humanidade (MSH), uma organização não governamental (ONG) baseada em Aveiro. "Estamos a tentar levá-la para Portugal para tratamento", acrescenta esta enfermeira portuguesa que há uma década visita a Guiné em trabalho humanitário. Conheci-a dias antes numa ação de solidariedade com o Lar Bethel, onde ofereceram camisolas do FC Porto às crianças guineenses, uma ideia de Fernando Pinheiro, um antigo médico do clube que assim deu bom destino a equipamentos de outras épocas sem valor comercial. "Não há nada de clubístico nisto. Ponham o Benfica ou o Sporting equipamento à disposição e teremos todo o gosto em oferecê-lo a estes miúdos incríveis", garantiu-me então Fernando Pinheiro.

Com Nazaré e a mãe, junto à cama protegida por uma rede mosquiteira, está uma médica guineense, Jacira King. "Infelizmente há muitos casos destes na Guiné", lamenta. As garrafas vazias aqui servem para guardar tudo e muitas vezes, no meio do calor tropical, as crianças levam à boca líquidos perigosos, como a soda cáustica, guardada em geral em pó mas confundida com leite em pó ou açúcar e misturada com água. Mais do que usado para desentupir canos, na Guiné, dizem-me, o produto é utilizado pelas mulheres para esticar o cabelo. Sem a instalação imediata de uma sonda, as crianças afetadas morrem; com sonda sobrevivem mas com graves riscos de infeção no ponto de entrada, mas nunca poderão provar um gelado ou qualquer tipo de comida, no fundo, ter uma vida normal.

Uma outra portuguesa habituada a ajudar os guineenses está com Maria José Ferreira a tentar resolver o envio de Nazaré para Portugal, que demora desde outubro de 2017. É Manuela Pimenta. "Estou aqui no laboratório de análises a dar apoio, mas às vezes pedem-me ajuda para casos graves de crianças que têm de ser levadas urgentemente para Portugal porque aqui na Guiné não há tratamento, nem médicos, nem meios. Esta menina bebeu soda cáustica, tem o esófago queimado, o esófago fechou e não consegue alimentar-se. Já foi para o bloco, puseram uma sonda gástrica, mas só em Portugal há possibilidade de reconstruir o esófago com médicos especialistas. O nosso objetivo é, juntamente com a MSH e com a cooperação entre os ministérios da Saúde, levar a Nazaré e outras crianças doentes graves para Portugal, onde temos hospitais destinados a receber estes casos", explica esta farmacêutica, proprietária de farmácias e de uma rede de laboratórios clínicos em Ponte Lima e noutras localidades minhotas.

Quando Manuela Pimenta diz "nós" está a incluir o pai, Manuel Pimenta, farmacêutico (tradição familiar, além da filha, também o filho é) que esteve na Guiné entre 1967 e 1969, "no pico da guerra", e nunca perdeu a ligação a estas terras africanas, diz este homem de 80 anos que acaba de me ser apresentado e ao fotógrafo Leonardo Negrão. Neste Hospital de Bôr, que recebe equipas médicas voluntárias de vários países (alemães e italianos foram os mais recentes a vir operar aqui), a fundação criada pela família Pimenta montou "o laboratório de análises clínicas, aparelhos, sistema informático, etc. Hoje, o hospital está completamente autónomo a funcionar, com bloco operatório, com ambulatório. Nós não fazemos nada, só damos apoio", diz a técnica portuguesa.

Fico a saber que é já antiga a ajuda dos Pimenta à Guiné. "Temos uma maternidade já feita, a trabalhar bem, é uma casa das mães no Cacheu. O meu pai tem aqui muita experiência de obras feitas. Vai também agora ajudar o hospital da Cumura." Antes, uma técnica tinha-me dito sobre pai e filha serem "gente muito boa, que gosta muito da Guiné".

Nazaré e a mãe continuam no quartinho, abafado pois não tem ar condicionado. A menina mal se mexe na cama apesar do calor e é visível a sonda no corpinho frágil. A mãe contínua em silêncio. Sei que sonha com Portugal salvar a sua menina, mas não diz nada, talvez também porque não fala português, só crioulo, e se sente acanhada perante os jornalistas. Mas não se opõe a que a filha seja fotografada, espera que sirva de alerta a quem de direito. Estranho não ver ali o pai. Contam-me que a mãe de Nazaré é uma daquelas jovens guineenses que foram forçadas a casar com um homem muito mais velho e que nestes momentos duros está sozinha, sem qualquer apoio. É só ela e a filha nesta luta, claro que com a solidariedade do pessoal médico e humanitário guineense e português.

Esta história, que é uma reportagem já com algumas semanas, está próxima de ter um final feliz para a pequena Nazaré. Maria José Ferreira conseguiu que a menina que vimos em Bôr viaje até Portugal para tratamento. É a possibilidade de ter uma vida normal. Não vem sozinha. "De acordo com a informação que temos da ONG parceira da MSH em Bissau, a AIDA, as quatro crianças têm voo previsto e chegada ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, a 18 de agosto. Vêm acompanhadas do médico Fernando Asseimo e da coordenadora das evacuações da AIDA, Solange Tchuda", conta a enfermeira.

Será a MSH e outros voluntários a assegurar toda a logística em Portugal, pois "as entidades oficiais que deveriam fazê-lo não fazem", diz Maria José Ferreira, com a autoridade de quem, desde 2009, já conseguiu através da sua ONG que fossem 58 crianças e jovens para tratamento no país. O Estado português, via Direção-Geral da Saúde, só assegura a parte hospitalar, como está previsto nos acordos com a Guiné-Bissau. Neste caso, será no São João, no Porto.

Além da Nazaré Binhanló, vão chegar no sábado Bidansata Clai, de 4 anos, que também sofre de estenose do esófago por ingestão de soda caustica, e ainda Janice Segunda Matcha, de 3, e Maria Augusta Domingas Cá, de 11, ambas com problemas cardíacos que exigem cirurgia cardiotorácica. Todas estas meninas vão ter oportunidade de uma vida normal.

Em Bissau, o DN viajou a convite da EuroAtlantic

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.