Nancy Pelosi recusa Estado da União no Congresso se 'shutdown' não acabar

Presidente da Câmara dos Representantes recusou a hipótese de aprovar uma resolução extraordinária que permitisse o discurso presidencial mesmo com a administração parcialmente paralisada

A presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, recusou esta quarta-feira a possibilidade de ser aprovada uma resolução que permitisse a ida de Donald Trump ao Congresso para o tradicional discurso do Estado da União mesmo enquanto o governo está parcialmente paralisado, ou seja, em 'shutdown'.

A declaração surge após o Presidente Trump ter anunciado que mantinha todos os planos para fazer o discurso no Capitólio, na próxima semana, apesar das preocupações de segurança levantadas por Pelosi relativamente ao facto de, por causa do 'shutdown', muitos funcionários não estarem a trabalhar.

"Seria muito triste para o nosso país se o Estado da União não fosse dito à hora certa, na data prevista, e mais importante, no local designado!", escreveu o presidente norte-americano, Donald Trump, numa carta à líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, reiterando que mantém o plano de discursar na próxima semana, a 29 de janeiro, no Congresso.

Na missiva, citada pelo The Washington Post, Trump rejeitou as razões apresentadas por Pelosi para pedir o adiamento do discurso. A democrata alegou que, por causa do shutdown, que mantém há mais de um mês o governo federal parcialmente encerrado, estaria em causa a segurança de todos.

"Os Serviços Secretos e o Departamento de Segurança Interna, que teriam jurisdição sobre se o Capitólio é ou não seguro para a visita do presidente, abordaram essas preocupações", disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders. "Penso que são as pessoas mais qualificadas, não apenas para abordar o tema, mas para tomar essa decisão", acrescentou aos jornalistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.