"Mutilação genital é necessária porque homens são sexualmente fracos"

Deputado egípcio afirmou que Mutilação Genital Feminina é importante para os casais conseguirem ter um vida tranquila

Um deputado egípcio afirmou que a Mutilação Genital Feminina (MGF) é necessária no país porque as mulheres devem "reduzir o seu apetite sexual" para estarem ao mesmo nível dos homens, que são "sexualmente fracos". Elhamy Agina defendeu que esta prática, que consiste no corte parcial ou total dos órgãos sexuais externos femininos, é importante para a harmonia da vida do casal.

"Nós somos um povo em que os homens sofrem de fraqueza sexual, o que é evidente porque o Egito é um dos países que mais consome estimulantes sexuais que apenas os fracos consomem", afirmou Agina, segundo o site de notícias locais Egyptian Streets. "Se nós pararmos de fazer a MGF vamos precisar de homens mais fortes e não temos homens desse tipo".

Barbeiro mostra como circuncidava as mulheres da sua cidade no Egito. Vários barbeiros ainda o fazem

Para o deputado, a solução é as mulheres continuarem a ser mutiladas para que haja uma "redução do apetite sexual". Assim, continua Agina, as mulheres podem "ficar do lado dos seus homens" e a vida continua tranquilamente.

As declarações estão a ser muito criticadas, em especial através das redes sociais, com várias pessoas a defender que ele deveria ser demitido do cargo.

A MGF é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como "todos os procedimentos que envolvem a remoção parcial ou total dos órgãos genitais femininos ou que provoquem lesões nos mesmos, tendo por base razões culturais ou fins não terapêuticos". Todos os anos, milhares de crianças e mulheres são submetidas a cortes totais e parciais do clitóris, dos pequenos e grandes lábios, estreitamentos da vagina e outras práticas, que, em alguns casos, conduzem à morte.

O Egito é um dos países em que esta prática mais acontece, apesar ter sido proibida em 2008, ao lado da Somália, Djibuti e Serra Leoa, segundo a OMS.

Um relatório oficial sobre as questões de saúde do Egito revelou que, em 2015, 9 em cada dez mulheres entre os 15 e 49 anos tinha sido circuncidada.

Sou um verdadeiro homem. Perguntem à minha mulher

Após as várias críticas de que foi alvo, Elhamy Agina afirmou numa entrevista que aqueles comentários tinham sido apenas uma "brincadeira".

"Não queria ofender os homens egípcios. Os homens egípcios são verdadeiros homens e eu sou um verdadeiro homem", afirmou Agina para o Mehwar Channel. "Fiquem com o número de telefone da minha mulher e perguntem-lhe", acrescentou.

Neste momento, a pena de prisão por circuncidar uma menina varia entre três meses e três anos no Egito, mas a prática continua a ser feita em grande escala no país, segundo o Washington Post.

Após a morte de uma adolescente devido a problemas de saúde causados pela MGF, que as autoridades egípcias pediram penas mais duras para quem manter esta prática. As novas penas, quando aprovadas pelo parlamento egípcio, deverão variar entre cinco e sete anos de prisão e serão aumentadas caso a rapariga morra ou fique deformada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.