Musk chama "pedófilo" a mergulhador que lhe tinha dito para enfiar submarino "onde dói"

O resgate foi um sucesso, mas a relação entre o dono da Tesla e um dos mergulhadores que ajudou a retirar o grupo de rapazes de uma gruta na Tailândia é tudo menos pacífica

Elon Musk e um dos mergulhadores que ajudou a salvar a equipa de futebol encurralada numa gruta na Tailândia estão em pé de guerra. O britânico Vern Unsworth criticou o mini-submarino que o milionário norte-americano construiu para ajudar nas operações de resgate e acusou Musk de ter usado o caso para um "golpe de relações públicas". O fundador da Tesla e da Space X "contra-atacou" e não poupou nas palavras. Chamou-o de "pedófilo" numa publicação do Twitter, publicada no domingo, que entretanto apagou.

O mergulhador já revelou, citado no Guardian, que está a pensar se vai ou não processar Musk, por um insulto para o qual não apresentou qualquer prova ou argumento.

"Peço desculpa, pedófilo, estavas mesmo a pedi-las"

"Ele pode enfiar o submarino onde dói", tinha dito o mergulhador britânico, de 63 anos, numa entrevista à CNN, na qual teceu duras críticas a Musk e às cápsulas submarinas que criou para a operação de resgate. "Não tinha absolutamente nenhuma hipótese de funcionar. Ele não tinha nenhuma noção de como era a passagem na caverna. O submarino tinha cerca de um metro e meio de comprimento, era rígido, não conseguiria passar em esquinas ou qualquer outro obstáculo. Ele não teria feito os primeiros 50 metros na caverna a partir do ponto inicial do mergulho. É apenas um truque de relações públicas", atirou o mergulhador britânico Vern Unsworth.

A resposta não tardou. "Peço desculpa, pedófilo, estavas mesmo a pedi-las", escreveu o norte-americano na rede social, de acordo com o The Guardian . O fundador da Tesla apagou a publicação, mas o insulto, sem contextualização, não passou despercebido pelos utilizadores da rede social.

Segundo a CNN, Elon Musk não se ficou por aqui. Após as criticas dos internautas ao ataque do norte-americano, o fundador do Tesla reforçou o insulto. "Aposto um dólar assinado que é verdade", escreveu na rede social, uma publicação que também foi apagado.

O milionário da indústria automóvel e espacial ofereceu ajuda para resgatar as 12 crianças e o seu treinador, que estiveram presos 17 dias numa gruta em Tham Luang, no norte da Tailândia.

Na rede social Twitter, o norte-americano revelou que tinha construído cápsulas submarinas e que estas tinham sido testadas numa piscina em Los Angeles.

Segundo o plano de Musk, dois mergulhadores especializados levariam uma cápsula com um jovem no seu interior. A cápsula tem várias pegas às quais se ajustam correias que os mergulhadores atariam à cintura.

Os rapazes acabaram por ser todos resgatados a 10 de julho sem o uso dos mini-submarinos de Musk, que foram recusados pelo chefe de operações.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.