Mulheres negras ganham em 19 meses o mesmo que um homem branco recebe num ano

Serena Williams pediu igualdade salarial para mulheres negras, que têm de trabalhar mais sete meses para ganhar o que um homem branco recebe num ano

A tenista norte-americana Serena Williams apelou esta segunda-feira a uma maior igualdade salarial entre homens e mulheres negras. Num artigo publicado na Fortune, a tenista explicou que, nos Estados Unidos, uma mulher negra ganha em média 63% daquilo que um homem branco recebe - ou seja, por cada dólar que um homem branco ganha, uma mulher negra ganha 63 cêntimos. Além disso, as mulheres negras recebem menos 17% do que as mulheres brancas.

Em termos práticos, isto significa que uma mulher negra tem de trabalhar em média mais sete meses (19 meses, no total) do que um homem branco para receber o mesmo do que aquele recebe num ano (12 meses).

Não foi por acaso que o artigo foi publicado no 31 de julho de 2017. Esta data marca o dia em que uma mulher negra terá recebido, em média, o mesmo que um homem branco recebeu no ano de 2016 e foi apelidada de Black Women's Equal Pay Day (Dia de Igualdade Salarial para as Mulheres Negras)

No artigo, Serena Williams falou da sua experiência pessoal e de como superou os seus objetivos. "Os ciclos da pobreza, discriminação e sexismo são muito, muito mais difíceis de quebrar do que um recorde do torneio de Grand Slam", disse a tenista que bateu o recorde por ter vencido o Grand Slams 23 vezes.

"Disseram-me que eu não conseguiria realizar os meus sonhos porque sou uma mulher e mais ainda por causa da cor da minha pele", escreveu Serena Williams. "Fui tratada injustamente, fui desrespeitada pelos meus colegas masculinos e - nas ocasiões mais dolorosas - fui alvo de comentários racistas dentro e fora do court do ténis".

A tenista diz que esta injustiça já se prolonga há demasiado tempo e que as "mulheres negras foram condicionadas a acreditar que valem menos".

Segundo o Economic Policy Institute, a disparidade salarial de género tem vindo a diminuir nos Estados Unidos, mas a disparidade racial tem aumentado. Em 1979 havia uma maior igualdade salarial entre mulheres brancas e negras do que agora. Em 2016, uma mulher branca recebia 76% do salário de um homem branco e e uma mulher negra recebia 67% do salário de um homem branco.

O Economic Policy Institute revela também que a desigualdade salarial ocorre a todos os níveis académicos.

"Elas recebem menos até nas áreas de tecnologia, finanças, entretenimento, direito e medicina", continuou Williams no artigo. "Uma injustiça para um é uma injustiça para todos". Serena quis espalhar a mensagem também nas redes sociais. "Vamos recuperar os nossos 37 cêntimos", disse Serena Williams no final do artigo.

Nas redes sociais, várias associações e pessoas se juntaram à causa, publicando imagens e mensagens sobre o Black Women's Equal Pay Day.

A ONG União Americana pelas Liberdades Civis disse que seriam precisos 66 anos para uma mulher negra ganhar o mesmo que um homem branco ganha em 40 anos.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."