Mudança da hora tem os dias contados?

Parlamento Europeu questionou necessidade de adiantar e atrasar relógios e convidou a Comissão Europeia a estudar os efeitos da mudança

Os deputados do Parlamento Europeu pediram uma "avaliação pormenorizada" sobre a necessidade da mudança da hora, ou seja, de todos os anos adiantarmos e atrasarmos os relógios para o horário de inverno e horário de verão.

Desde 1996 que a mudança de hora é coordenada pela União Europeia, com todos os estados-membros a adiantarem os relógios no último domingo de março e a recuarem para o horário de inverno no último domingo de outubro.

A moção foi aprovada na quinta-feira depois de a ideia ter sido lançada pela Finlândia, que tem a capital mais norte da União Europeia, e pediu à UE para acabar com esta tradição.

Os críticos do sistema dizem que pode causar problemas de saúde a longo prazo, especialmente nas crianças pequenas e nos idosos, e apontaram para estudos que indicam que a mudança da hora tem impacto no sono e até na produtividade no trabalho.

Por outro lado, os adeptos da mudança da hora dizem que amanhecer mais cedo no inverno e ter luz solar até mais tarde no verão pode ajudar a reduzir os acidentes de trânsito e a poupar energia.

Em Estrasburgo, o Parlamento Europeu aprovou a moção por 384 votos contra 153, convidando a Comissão Europeia a estudar os efeitos da mudança e, se necessário, elaborar um plano de revisão. A Comissão, pelo seu lado, não se mostrou entusiasmada com a ideia, com a comissária eslovena Violeta Bulc a lembrar que se uns mudarem e outros não será problemático para o mercado único.

No resto do mundo, países como os Estados Unidos também mantém a tradição da mudança da hora, um hábito que começou no início do século passado, associado ao racionamento de energia na I Guerra Mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.