Míssil que atingiu avião da Malaysia Airlines era mesmo do exército russo

Autoridades russas negam qualquer envolvimento no abate do MH17

Uma investigação internacional revelou ter provas concretas e legais de que o míssil que abateu o avião MH17 da Malaysia Airlines na Ucrânia, em julho de 2014, foi disparado por um sistema antiaéreo do exército russo. O avião fazia a escala de Amesterdão para Kuala Lumpur quando foi abatido sobre a zona em conflito no leste do país. Morreram as 298 pessoas a bordo, a maioria de nacionalidade holandesa.

O The Guardian recorda que, em 2016, os mesmos investigadores holandeses tinham anunciado que existiam provas de que o sistema BUK envolvido no incidente tinha cruzado a fronteira do leste da Ucrânia com a Rússia e regressado após o abate do avião.

Em conferência de imprensa, esta quinta-feira, em Haia, a polícia e os investigadores mostraram as provas: fotografias e vídeos que identificam o sistema específico BUK como o responsável pelo lançamento do míssil.

As autoridades russas negam qualquer envolvimento no abate do MH17 e os meios de comunicação russos ligados ao governo têm divulgado várias teorias consideradas impossíveis, como a de que terá sido a Ucrânia a abater o avião.

A Rússia usou ainda o seu veto na ONU para impedir que um tribunal internacional determine a culpa pela tragédia, o que significa que qualquer julgamento posterior será realizado na Holanda e responderá apenas à lei deste país.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.