Ministro norueguês não resiste a polémica das férias no Irão

Per Sandberg deixou hoje a pasta das Pescas, depois de ter ficado debaixo de fogo por ter ido ao Irão sem avisar o governo. Mais: apesar das suas posições anti-imigração, viajou com a namorada que é uma refugiada iraniana.

Após vários dias de críticas por causa de ter ido passar férias ao Irão, o ministro das Pescas norueguês, Per Sandberg, cedeu e demitiu-se do cargo esta segunda-feira. Deixou também o cargo de número dois do Partido do Progresso.

"Houve altos e baixos e estou orgulhoso de ter ajudado a construir o Partido do Progresso e em torná-lo num partido grande e forte. Agora, contudo, é tempo de avançar, fazer outra coisa e ter a oportunidade de passar mais tempo privado", disse Sandberg numa conferência de imprensa.

O ministro de 58 anos é substituído no governo por Harald Tom Nesvik, ex-líder parlamentar desse mesmo partido.

A demissão surge depois do escândalo que envolve as férias de Sandberg no Irão. O ministro não avisou o governo da viagem, como está previsto nas regras do executivo, e além disso levou o telefone de trabalho, quando por questões de segurança, deveria ter ido com outro.

Sandberg, conhecido pelas suas posições anti-imigração, viajou com a namorada, a refugiada Bahareh Letnes, de 28 anos, que tem dupla nacionalidade iraniana e norueguesa. Depois de o escândalo rebentar, soube-se que é dona de uma empresa de apoio à exportação de peixe e marisco noruguês para o Irão, o que também levantou questões sobre um eventual conflito de interesses da parte do ministro.

Ler mais

Exclusivos