Ministro japonês obrigado a pedir perdão por se ter atrasado... três minutos

O ministro das Olimpíadas emitiu um pedido de desculpa por se ter atrasado 3 minutos para um reunião parlamentar. Mas este não é o seu primeiro pedido de desculpas oficial.

O ministro das Olimpíadas japonês, Yoshitaka Sakurada, pediu esta sexta-feira desculpa por se ter atrasado três minutos para uma reunião parlamentar - o que levou ao cancelamento da reunião do comité de orçamento, segundo a BBC. Este foi a mais recente polémica com este ministro, alvo de várias críticas, por parte da oposição, que afirma que este não mostra respeito pelo cargo.

A verdade é que esta não é a primeira vez que a performance de Sakurada é posta em causa, desde que foi nomeado para o cargo em outubro. Na passada terça-feira, dia 19, o ministro afirmou estar "desapontado" por Rikako Ikee, uma nadadora olimpíada, não ir às Olimpíadas, por ter sido diagnosticada com leucemia. "Ela é uma potencial vencedora de ouro, uma atleta em quem temos grandes expectativas" lamentou.

O ministro foi acusado de ter colocado as Olimpíadas e a competição acima da preocupação com a doença da atleta. Comentários como "estou preocupado que o entusiasmo da equipa diminua" e o foco do seu discurso na competição foram alvos de diversas críticas. Yuki Edano, líder do Partido Democrático Constitucional do Japão afirmou que Sakurada "não tem a capacidade de sentir empatia por alguém que está a sofrer com uma doença terrível", citando o Japan Times. Os fãs da atleta também não se contiveram nas críticas a Sakurada, nas redes sociais. No dia seguinte, o ministro pediu desculpa numa reunião parlamentar. "Eu não tive consideração, peço desculpa e retiro o que disse" afirmou de acordo com o Kyodo News.

Outra das situações mais polémicas de Sakurada aconteceu em 2016, quando este apelidou as mulheres que foram forçadas a trabalhar em bordéis para satisfazer as necessidades sexuais dos soldados japoneses, durante a segunda guerra mundial, de "prostitutas profissionais". Durante uma reunião com outros membros do Partido Liberal Democrático disse que as mulheres foram na realidade, "prostitutas por ocupação", e que as pessoas foram "enganadas" pela propaganda que as tratou como vítimas.

O porta-voz do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Sul, Cho June-hyuck disse que os comentários do político japonês "não tinham sentido" e eram "ignorantes". "O que é reconhecido pela comunidade internacional é que a questão das "mulheres de conforto" é uma violação dos direitos humanos" declarou citando o Yonhap News. Mais tarde, Sakurada admitiu que os seus comentários poderiam ser mal interpretados e pediu desculpas.

Sakurada, além de ministro das olimpíadas é também ministro da cibersegurança japonesa, no entanto, no ano passado disse nunca ter utilizado um computador e que "sempre delegou as tarefas aos seus funcionários", de acordo com a Reuters. Esta descoberta deixou a população surpreendida, visto uma das funções de Sakurada ser supervisionar os preparativos de defesa cibernética para os Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio.

Em dezembro de 2018, durante um evento em Tóquio admitiu não saber falar inglês "Há duas coisas de que tenho vergonha desde que me tornei legislador - não saber usar um computador e não falar inglês " citando o Japan Times.

Por tudo isto, a oposição e grande parte da população têm criticado o trabalho de Sakurada e afirmado que este se deveria retirar. Uma pesquisa realizada pelo jornal Asahi Shimbun comprova-o, onde 65% dos inquiridos responderam que não consideravam o ministro das olimpíadas e da cibersegurança adequado para o posto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.