Ministro francês da Transição Ecológica anuncia demissão

Hulot admitiu que estava "sozinho" e "desiludido" no executivo face à gestão dos dossiês ambientais.

O ministro francês da Transição Ecológica, Nicolas Hulot, anunciou esta terça-feira a demissão do cargo, uma decisão tomada sem ter sido comunicada ao Presidente, Emmanuel Macron, ou ao primeiro-ministro, Edouard Philippe.

"Eu tomo a decisão de deixar o Governo", disse durante uma entrevista à rádio France Inter, após confidenciar que se sentia "sozinho" e "desiludido" no executivo face à gestão dos dossiês ambientais.

"Vou tomar a decisão mais difícil da minha vida, não quero mais mentir para mim mesmo, não quero dar a ilusão de que a minha presença no Governo significa que estamos à altura do desafio", acrescentou.

Nicolas Hulot, que tomou sua decisão na noite de segunda-feira, não avisou nem o Presidente, Emmanuel Macron, nem o primeiro-ministro, Philippe Édouard.

"Eu sei que não é muito formal", admitiu, explicando que receava que o tentassem dissuadir de renunciar ao cargo, "mais uma vez".

O porta-voz do Governo, Benjamin Griveaux, lamentou a saída do ministro e elogiou o trabalho realizado por Nicolas Hulot, mas sublinhou a falta de cortesia para com o Presidente Emmanuel Macron.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...