Milhares de crianças migram sozinhas para os EUA

Cerca de 15 mil crianças migrantes estão presas nos EUA em mais de 100 albergues privados. A maioria desses menores são adolescentes centro-americanos como Emerson ou Brandon, dois jovens que falaram à reportagem da Lusa

Um em cada quatro dos migrantes centro-americanos que tentam entrar nos EUA pelo México é uma criança e milhares migram sozinhas. Só em novembro, uma média diária de 175 menores atravessou a fronteira em completa solidão.

Emerson José Gutiérrez Andrade tem 14 anos, mas aparenta 12, fruto de um desenvolvimento corporal limitado que revela a sua formação. Emerson chora. Acaba de saber que vai cruzar hoje, ilegalmente, a fronteira do México com os Estados Unidos. Sente a angústia de empreender um caminho sozinho. "Choro porque eu vou embora dela", tenta explicar à Lusa entre lágrimas. "Vou-me afastar dela. E também porque vou ver a minha tia", diz.

"Ela" é Nelly Velásquez, que cuidou de Emerson durante as últimas seis semanas, desde que a mãe foi capturada e deportada pelos serviços de migração mexicanos na cidade de Huixtla, ao Sul do México, próximo da fronteira com a Guatemala.

Mais de 200 mil centro-americanos circulam anualmente pelo México rumo ao sonho americano.

Todos os migrantes da caravana que há semanas se dirige para os Estados Unidos entram ilegalmente no México, país que requer visto de entrada dos seus vizinhos.Desde 2015, o México deporta mais centro-americanos do que os EUA. Mais de 200 mil centro-americanos circulam anualmente pelo México rumo ao sonho americano.

As caravanas de migrantes surgiram para vencer todos os tipos de obstáculos, inclusive o da deportação. No dia em que prenderam a mãe de Emerson, todos tinham apanhado boleia no atrelado aberto de um camião. Foi quando os agentes da Migração conseguiram apanhar a mãe. "Eu senti-me sozinho. Eu me senti triste quando me deram a notícia de que ela foi apanhada e deportada", recorda Emerson.

O jovem continuou o caminho e chegou a Tijuana há 18 dias.

Nelly, uma vizinha em Tegucigalpa, cumpriu o papel de mãe até agora, porque entretanto conseguiu localizar, através do Facebook, uma tia de Emerson que vive em Chicago como imigrante legalizada. A reportagem da Lusa encontrou Emerson no acampamento de migrantes El Barretal, em Tijuana, justamente quando o menino conversava com a tia, via telefone do Facebook. Ela convencia-o de que a melhor estratégia era entregar-se à Migração dos Estados Unidos. Emerson concordou e chorou :"Agora, eu tenho que fazer o que a minha tia me diz. Tenho de chegar até onde ela vive porque ela vai-me ajudar."

Mas como será essa travessia? "Não sei como vou cruzar. Eles dizem que me vão levar à Migração dos Estados Unidos", responde.

Passar por um buraco por baixo do muro

O plano consiste em passar por um buraco por baixo do muro que separa o México dos EUA, no mesmo ponto em que dezenas passaram ao longo da semana. No local, a terra fofa esconde uma passagem, aberta quase diariamente. O ritual já é conhecido pelos agentes da fronteira. Sabem que os migrantes não pretendem sair a correr, mas sim pedir asilo.

Emerson não quer voltar a Tegucigalpa. Ele não sabe, mas Nelly revela que a mãe não quer saber dele. A tia é a única saída. Um plano de fuga para a frente.

Se voltasse às Honduras, Emerson poderia cair nas drogas e ser recrutado por gangues, conhecidos como "maras", que dominam o Triângulo do Norte (Honduras, El Salvador e Guatemala) e recrutam os rapazes jovens para o crime e as meninas para serem 'namoradas' dos criminosos.

Bradon fugiu da morte: "A El Salvador, eu não volto"

Brandon Rene Díaz Alvarado é um adolescente de 15 anos. Vem de El Salvador e foge sozinho das "maras". "Eu fugi da morte", sintetiza Brandon à Lusa. "As maras ameaçaram-me. Se eu não me unisse a eles, eles matavam-me. Mas se eu entrasse, só sairia morto. Isso não é vida", conclui.

Brandon conta que os gangues queriam que ele cumprisse o papel de 'águia', como chamam aos que avisam quando a Polícia entra nos seus domínios. "Mas eu sei como isso termina porque mataram dois irmãos meus. Eu sou o caçula. Para quê arriscar? Por isso, deixei a minha família para trás. Eles já sabiam da minha ideia e concordavam", conta Brandon, que há sete semanas saiu sozinho da salvadorenha cidade de Zacatecoluca, atravessou El Salvador, Guatemala e México até à fronteira, onde chegou há um mês.

O objetivo agora é cruzar a fronteira, mas se não conseguir Brandon fica em Tijuana: "A El Salvador, eu não volto". Se conseguir cruzar, Brandon não sabe bem para onde ir: "Só tenho um contacto de um pastor nos Estados Unidos".

Cerca de 15 mil crianças migrantes estão presas nos EUA em mais de 100 albergues privados

No dia 25 de novembro, centenas migrantes marcharam até a fronteira para pressionar as autoridades norte-americanas a aceitarem um asilo em massa.

Em determinado momento, um grupo mais exaltado tentou cruzar à força. Rompeu parte da cerca e passou. A polícia de fronteira respondeu com bombas de gás lacrimogéneo sobre a multidão. Um total de 42 pessoas foram presas já do lado dos EUA. "Eu estava lá. Cheguei a cruzar uns passos, mas tive medo e não avancei. Fiquei paralisado de medo. Um polícia apanhou-me por trás e empurrou de volta para o lado mexicano. Eu tinha a intenção de correr, mas o medo não me permitiu", relata Brandon.

Mas o jovem salvadorenho quer voltar a tentar. "Desta vez vou correr. Só espero uma oportunidade".

Cerca de 15 mil crianças migrantes estão presas nos EUA em mais de 100 albergues privados. A maioria desses menores são adolescentes centro-americanos como Emerson ou Brandon.

As leis dos Estados Unidos limitam o tempo em que os menores podem permanecer presos. Por isso, aqueles que são detidos costumam ser entregues a parentes próximos. Porém, cerca de 80% desses potenciais tutores estavam nos Estados Unidos de forma ilegal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.