Menino de 13 anos descobre tesouro viking

Depois da descoberta da criança, especialistas encontraram moedas e joias com mais de mil anos numa ilha do Mar Báltico. O tesouro remonta à época do rei de origem viking que levou o cristianismo à Dinamarca, Harald

Luca Malaschnichenko, de 13 anos, já pode contar ter o seu nome para sempre associado à arqueologia.

Em janeiro, o jovem, acompanhado por René Schön, voluntário de um programa local de arqueologia, e por um detetor de metais, fez uma descoberta incrível.

Na localidade agricola de Rügen, uma ilha do norte da Alemanha, banhada pelo Mar Báltico, o aparelho detetou qualquer coisa. Os jovens conseguiram extrair fragmentos de moedas da terra e imediatamente perceberam que tinham encontrado algo.

Imediatamente avisaram as autoridades, que tiveram de esperar até ao fim de semana passado para procederem às escavações necessárias para voltar a trazer à luz do dia um tesouro viking de mais de mil anos, da época do célebre rei dinamarquês Haroldo 1° da Dinamarca.

A descoberta incluí moedas de prata, pérolas, colares, alfinetes de peito e até mesmo um martelo de Thor, do final do século X.

Detlef Jantzen, o arqueólogo chefe do Escritório Regional de Arqueologia e Conservação de Monumentos do estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, o qual levou a cabo os trabalhos, disse ao jonal espanhol El País que este "é um tesouro excepcional. Esta é a primeira vez que encontramos um achado dest grandeza e qualidade a sul do Báltico".

As peças do século XX terão sido enterradas entre 980 e 990.

O rei Harald morreu em 986 no norte da Europa, deixando para trás um tesouro enterrado e um legado muito particular que chegou aos nossos dias em forma de homenagem: a tecnologia bluetooth.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.