Líder de culto sexual que marcava as mulheres com as suas iniciais considerado culpado

Keith Raniere, de 58 anos, pode ser condenado a prisão perpétua pelo tribunal de Nova Iorque.

O júri de um tribunal federal de Brooklyn só precisou de quatro horas para considerar que Keith Raniere é culpado de liderar um culto sexual, que obrigava as mulheres a passar fome e as marcava com as iniciais do seu nome. O nova-iorquino, de 58 anos, arrisca a prisão perpétua pelos seus crimes.

A sentença de Raniere, que liderava um grupo chamado Nxivm, será conhecida a 25 de setembro. Foi considerado culpado de todas as acusações, que incluíam extorsão, tráfico sexual e posse de pornografia infantil no final do julgamento que durou seis semanas e durante o qual se declarou inocente. O advogado de defesa já disse que vai recorrer da condenação.

"Podem considerá-lo repulsivo, repugnante e ofensivo. Mas não condenamos pessoas neste país por serem repulsivas ou ofensivas", alegou o advogado Marc Agnifilo. "Ideias que não são populares não são criminosas. Ideias repugnantes não são criminosas", acrescentou. O júri formado por oito homens e quatro mulheres não concordou.

Raniere, que foi detido no ano passado pelo FBI no México, alegava que o Nxivm (pronuncia-se como "nexium") era uma organização de autoaperfeiçoamento, mas no julgamento os procuradores disseram que ele criou uma irmandade secreta dentro dela chamada DOS. Esta era vendida como uma organização exclusivamente feminina, quando na realidade era controlada por Raniere.

As mulheres "escravas" eram obrigadas a entregar materiais comprometedores, como fotos em que estavam nuas, que podiam ser usadas para fazer chantagem. Era-lhes dito que esses materiais seriam divulgados se elas desobedecessem às ordens ou tentassem fugir, segundo as testemunhas.

As mulheres eram marcadas com as iniciais de Raniere e coagidas a ter sexo com ele. Entre as vítimas está uma rapariga de 15 anos. A defesa dele alegou que as relações sexuais eram consensuais.

Uma antiga membro do grupo, identificada como Daniela, contou em tribunal como foi preparada durante semanas para, assim que fez 18 anos, perder a virgindade com Raniere. Mais tarde, ficou confinada a um quarto, durante dois anos, porque tinha ganho peso e pediu para se encontrar com outro homem que não o arguido.

Raniere liderava este "culto", mas tinha várias mulheres como "adjuntas". Entre elas a atriz Allison Mack, conhecida por participar na série Smallville, que em abril se declarou culpada de extorsão e admitiu ter recrutado outras mulheres para o grupo. Deverá conhecer a sua sentença em setembro, arriscando uma pena máxima de 40 anos de prisão.

No exterior do tribunal, depois de conhecido o veredicto, um grupo de antigos membros do Nxivm aplaudiram a equipa de procuradores. Catherine Oxenberg, uma atriz que teve um papel na série Dinastia e que escreveu um livro chamado Captive (cativa) sobre os seus esforços para resgatar a filha do culto, telefonou-lhe com a novidade. "Ela está em choque. Eu também estou em choque. Acabou. Está feito", disse, segundo a Reuters.

Exclusivos