Leo Varadkar leva parceiro para encontro com Mike Pence e fala de homossexualidade

Vice-presidente norte-americano, conhecido pelas posições anti-LGBT na América, recebeu o primeiro-ministro irlandês na sua casa, no início do fim de semana em que se assinala o Dia de São Patrício.

O primeiro-ministro da República da Irlanda, Leo Varadkar, que é homossexual, foi convidado pelo vice-presidente norte-americano, Mike Pence, para um pequeno-almoço na sua casa e levou o companheiro, Matt Barrett. São conhecidas as posições anti-LGBT do vice de Donald Trump, mas Varadkar não fez nada para evitar o tema.

"Vivia num país onde se tentasse ser eu próprio naquela altura, acabaria por violar a lei", disse Varadkar, que foi o convidado de Pence por ocasião do início do fim de semana do Dia de São Patrício (santo padroeiro da Irlanda). "Mas hoje, isso mudou. Estou aqui, líder do meu país, imperfeito e humano, mas julgado pelas minhas ações políticas, não pela minha orientação sexual, tom de pele, género ou crença religiosa", acrescentou o primeiro-ministro irlandês.

Varadkar disse ainda que a Irlanda não é o único local onde isso é possível, "mas todo o país onde a liberdade é acalentada". E, diante do católico Pence, concluiu: "afinal, todos somos filhos de Deus".

Na sua última viagem aos EUA, no ano passado, Varadkar tinha tido uma reunião à porta fechada com Pence, dizendo depois aos jornalistas que tinha falado dos direitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) com o vice-presidente. Também disse que Pence e a mulher o tinham convidado e a Matt, dizendo que eles seriam "muito bem-vindos à sua casa no futuro".

Karen Pence, que dá aulas numa escola privada católica que não aceita alunos ou professores homossexuais, não esteve contudo no pequeno-almoço. Está numa viagem oficial aos Emirados Árabes Unidos para os Jogos Mundiais das Olimpíadas Especiais de Abu Dhabi. A irmã de Pence, Annie, fez as honras.

No seu discurso, Pence não fez referência aos temas LGBT, optando por lembras as suas próprias raízes irlandesas. "O meu avô costumava falar do velho país e da sua casa do outro lado do lago. O seu amor pelo povo irlandês, o seu amor pela herança irlandesa era profundo", indicou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.