"Lamento que não haja uma melhor oposição"

Entrevista a Mátyás Sárközi, escritor e jornalista húngaro, que esteve em Lisboa para falar sobre a revolução de 1956 contra a ocupação soviética numa iniciativa da Embaixada da Hungria e da Universidade Católica que assinalou o 60.º aniversário desta insurreição.

Foi forçado a deixar a Hungria, em 1956, no quadro de uma situação de violência e perseguição. Como vê a atual crise dos refugiados?

Uma coisa é a vinda dos naturais dos países do Médio Oriente e outra é a dos provenientes da Europa Central e do Leste, que vão, preferencialmente, para o Reino Unido e que talvez nunca mais voltem aos seus países. Há mais de 450 mil húngaros e um milhão de polacos no Reino Unido. Estamos a falar de pessoas com cursos de Informática, Direito e Engenharia e que trabalham como empregados de café e restaurantes. Isso é negativo. Digo aos meus compatriotas: aprendam inglês, poupem algum dinheiro e voltem para a Hungria, mas não estão interessados nisso, sentem que não há oportunidades no país.

E os do Médio Oriente?

Posso falar-lhe sobre a posição do governo de Viktor Orban. O partido dele, Fidesz, tem hoje um grande rival, o Jobbik, e Orban está obrigado a recorrer à carta do nacionalismo por causa das legislativas de 2018. A oposição dele aos migrantes muçulmanos não deixa de ter razão, até pela sua dimensão. A migração de muçulmanos representa um perigo: o da alteração da natureza da Europa. Espanta-me que o governo alemão esteja a autorizar a construção de tantas mesquitas, que podem servir para disseminar ideias radicais. Ao contrário dos refugiados de 1956, estes querem recriar o seu mundo nos países de acolhimento.

É isso que preocupa Viktor Orban?

Ele está muito ciente desse perigo. O que não o tem impedido de aceitar alguns refugiados do Médio Oriente. Não é a isso que Orban se opõe, mas ao sistema de quotas obrigatórias. Temos muitos imigrantes. Podem ver-se africanos e asiáticos nas nossas cidades. Temos uma campeã mundial de esgrima chamada Aida Mohamed. Outro caso: acolhemos hoje 800 menores árabes que viajavam sozinhos.

Aquilo que Orban defende é reflexo da opinião pública húngara?

Sem dúvida que sim.

Como reage a isso a oposição?

A oposição está fraca. Os socialistas passam mais tempo a discutir problemas de liderança do que a fazer oposição efetiva, o que não contribui para a sua popularidade. Os antigos comunistas estão em vias de desaparecimento. Tudo isto contribui para reforçar o Fidesz.

Que opinião tem sobre Orban?

Conheci-o quando ele era estudante em Oxford [em 1989]. Achei-o uma pessoa interessante e inteligente. E voltei a encontrá-lo recentemente. Fiz-lhe um convite para jantar há dois anos. Queria ver, digo-o com sentido de humor, se o poder sempre corrompe ou não. Aceitou. Jantámos só nós e as nossas mulheres num restaurante discreto. Foi muito afável, fluente e claro sobre o que pretendia. É um político acessível, sabe o que quer, com ideias e teorias próprias. Quer ser um pensador assim como um ator político. Quer uma sociedade economicamente desenvolvida, mais equilibrada e um país democrático e livre. Continua a ser muito aquilo que era em 1989. O que lamento é que a oposição não tenha sequer uma só figura carismática que seja alternativa a Orban. Assim, enquanto ele não cometer um erro tremendo, os eleitores não votarão em políticos desprovidos de qualquer talento. Lamento que não haja uma melhor oposição na Hungria. Veja o caso britânico: há um governo-sombra, pessoas dedicadas a seguir as políticas do governo numa área e a criticá-las com fundamento. Isso não existe na Hungria.

Falando de 1956, acreditou ser possível a vitória?

A 29 de outubro pensei que a revolução estava ganha. As tropas soviéticas estavam a deixar o país. Pensei ter chegado o momento de eleições livres, um novo governo, instituições democráticas e a Hungria concretizar o intenso desejo que tinha de ser independente. Imre Nagy anunciou o abandono do Pacto de Varsóvia e do Comecon.

Logo a seguir, a situação mudou...

A decisão de sair do Pacto de Varsóvia e do Comecon pode ter sido o que fez Moscovo mudar de ideias. Eles [a liderança soviética] aconselharam-se com Mao Tsé-tung e com o dirigente jugoslavo Josep Tito, e estes disseram-lhes que o que estava a suceder era intolerável. Estava a enviar a mensagem errada ao resto do campo socialista, como eles se proclamavam.

Sentiu que tinha a vida em perigo quando decidiu deixar a Hungria?

De início, não. Mas um amigo, o comandante dos Guardas da Revolução e da Academia Militar, o major-general Béla Király, veio visitar-nos às quatro da manhã, a mim e à minha mãe, na noite de 4 de novembro e deu-me três cartas para eu entregar a três pessoas que ele acreditava serem indicadas para dirigir a resistência armada à ocupação soviética. De madrugada, dirigi-me à primeira morada nos arredores de Budapeste e, quando lá cheguei, a moradia estava cercada por polícia e exército. O mais depressa que pude, afastei-me do local e deitei as cartas para os esgotos. Um vizinho nosso, militante comunista, avisou as autoridades da visita de Király. A minha mãe foi presa. Achei então que devia sair da Hungria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".