Jamie Oliver teve duas horas para evitar a bancarrota

O chef Jamie Oliver deu uma entrevista ao jornal Financial Times sobre a crise financeira que há um ano ameaçou o seu império de 43 restaurantes espalhados pelo mundo e dos quais sobreviveram apenas 25. De forma aberta, diz que "f...." 40% da sua fortuna.

Jamie Oliver raramente fala sobre o seu império construído em cima da gastronomia: autor de livros de culinária, protagonista de programas na televisão e proprietário de uma cadeia de restaurantes, dos quais um em Portugal. Principalmente, porque no último ano viveu à beira de uma catástrofe financeira que o ia levando à bancarrota.

A entrevista que deu ao Financial Times esta semana surge num momento em que os seus maiores receios em falir estão afastados do precipício em que se encontrava há um ano e que teve resolver em duas horas ou era declarada a bancarrota da sua cadeia de restaurantes. Mesmo que para isso tenha perdido nesse mesmo dia mais de oito milhões de euros das suas poupanças e nos últimos meses obrigado a injetar quase mais seis milhões, além de ter de contrair empréstimos bancários no valor de 41 milhões de euros. Diga-se que a sua fortuna pessoal está avaliada em mais de 160 milhões de euros...

Em poucas palavras, Oliver considera que "f...." 40% do negócio no último ano (as suas palavras são: "fucked up" 40 per cent of the business".

Oliver contou como se apercebeu do buraco em que estava: "Telefonaram-me a informar que estávamos sem fundos - assim mesmo - e que tinha duas horas para arranjar dinheiro e salvar a situação ou iria tudo pelo cano abaixo nesse dia ou no seguinte (a expressão que utiliza é "the whole thing would go to shit that day or the next day). Era mesmo esta a realidade, coisa que eu não esperava, afinal temos reuniões periódicas e os responsáveis pela situação financeira deveriam estar atentos e avisar."

O drama financeiro não obrigou Jamie Oliver a esforçar-se mais do que já fazia, continua a ir para o trabalho na sua Vespa às 05.30 e nunca vai para casa antes das 21.00. Mas não deixou de tentar encontrar a razão para o caos: "Não sei ainda o que aconteceu exatamente! Acho que foi o resultado de uma tempestade perfeita: aumento das rendas dos restaurantes, o declínio comercial de certas localizações, o maior custo dos produtos alimentares e o Brexit." No centro dessa tempestade perfeita que o obrigou a fechar duas unidades de referência, o Jamie"s Diner no Soho e o Barbecoa steakhouse em Piccadilly, há quem aponte para um responsável, o CEO da empresa, o seu cunhado Paul Hunt, considerando "incompetente" por algumas fontes. Oliver nunca o acusou, até o defendeu: "Ele é honesto, leal e confio totalmente nele. Fez o que era necessário."

Na entrevista, Jamie Oliver tenta sempre dar uma resposta para o que lhe aconteceu, mesmo que nunca a encontre de forma exata. Mas não deixa de elogiar o seu percurso na restauração: "Alterámos o panorama do setor e a nossa história foi um sucesso nos primeiros seis anos. Agora, está tudo a desaparecer." Mesmo assim, Oliver está confiante: "Neste momento, começamos a ver a luz ao fim do túnel."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.