Ir para Boston e trocar o bichinho de África pelo sonho americano

Aos 46 anos, João Caixinha é o coordenador do Ensino de Português nos Estados Unidos. Nascido em Nampula, chegou a ser professor no Zimbabwe e na África do Sul

A conversa com João Caixinha foi marcada para domingo à tarde, no Consulado de Portugal em Boston. A representação diplomática ocupa várias salas no terceiro piso de um prédio da St. James Avenue, não muito longe do Jardim Público. Com 46 anos, João (foi como combinámos o tratamento, até porque temos só quatro meses de diferença) é desde junho coordenador do Ensino de Português nos Estados Unidos, tarefa de peso dada a dimensão da comunidade luso-americana. "É um grande desafio. Mas na realidade, ainda antes de ser nomeado, já assumia a função há algum tempo", explica.

O gabinete de João (quantas vezes terá já brincado na América com o seu apelido se traduzir por little box?) tem a inevitável secretária com o computador e a extensão telefónica. Sobre a mesa, uma bandeirinha de Portugal. E nas paredes um cartaz do Turismo de Portugal com imagens de azulejos azuis e um mapa dos Estados Unidos. Vive em Boston desde janeiro de 2009, espera ficar ainda muitos mais anos na América e até admite, se um dia não for reconduzido nas funções, voltar a tentar a aventura nos Estados Unidos como professor, afinal de contas a sua profissão. "Também, dada a minha alma de viajante, não afasto a hipótese de depois de uma vida na América experimentar outro país", acrescenta o português nascido em Moçambique.

Para perceber melhor a tal "alma de viajante" vale a pena olhar um pouco para o percurso de vida de João, de seu nome completo João Carlos Nunes Caixinha. "Nasci em Nampula, Moçambique, mas tive de sair de lá em 1974, com apenas 3 anos. Vim na ponte aérea com a minha mãe e a minha irmã , dois anos mais velha. O meu pai ficou para trás, para tentar salvar alguma coisa. Era dono de uma empresa de construção civil que fazia tubagens e canalizações para escolas e hospitais. Viemos com uma mão à frente e outra atrás. Mas tivemos mais sorte do que muitos. O meu pai tinha algum dinheiro guardado em Portugal e pouco a pouco conseguiu refazer a vida. Também tivemos a sorte de ficar na casa de uma tia em Lisboa até podermos ir para uma casa em Sintra", conta João. O pai, João Carlos, de Donas, perto do Fundão, e a mãe, Isaura Maria, de Tomar, tinham-se conhecido em Moçambique através de um amigo que era cunhado dela e lá casaram na colónia portuguesa no Índico, que se tornaria independente em junho de 1975.

Por ser domingo, o consulado está vazio e a conversa decorre sem interrupções. João admite serem escassas ou nenhumas as memórias africanas, mas do que ouviu falar na família a Guerra Colonial não se fazia sentir em Nampula. Mesmo sem recordações, o fascínio por África sentiu-o muito cedo. "Uma espécie de bichinho", diz. E por isso, depois de fazer a licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade Nova de Lisboa, e após dar aulas aqui e acolá em busca da colocação definitiva, um anúncio que viu quando era professor em Casal de Cambra levou-o a uma experiência como cooperante no Zimbabwe. "Fui não para Harare mas para Bulawayo, a segunda cidade. Dar formação a futuros professores de Português. Ao princípio achei tudo uma maravilha, mas era uma vida muito difícil. Tinha de ir a pé para a escola. Fiz algumas amizades, com gente local e com portugueses, como o senhor Tavares, que era dono de um restaurante.Tinha 27 anos e acabei por regressar a Portugal, mas por pouco tempo", conta João.

Tinha gostado mesmo de África e voltou a candidatar-se ao Zimbabwe, agora sendo colocado em Harare. Foi um período ainda mais complicado, com o presidente Robert Mugabe a lançar os antigos combatentes anticoloniais contra os fazendeiros brancos. Havia grande inflação e faltava quase tudo, a começar pela gasolina. "Um dia fomos de carro ao campo ver se conseguíamos comprar gasolina sem ter de estar horas nas filas e um grupo de antigos combatentes cercou-nos. Foi um susto. A embaixada portuguesa decidiu então retirar os cooperantes e eu voltei de novo a Portugal", acrescenta.

Uma experiência de professor em 2001 em Andorra, onde eram muitos os filhos de portugueses, não o convenceu, afinal era Europa e nem sequer longe de Portugal. Surgiu então nova oportunidade em África, agora já ao serviço do Ministério da Educação e não do dos Negócios Estrangeiros. "Fui para a Cidade do Cabo. Dava aulas no básico e no secundário e ainda cursos livres na universidade. Tirando que fui assaltado assim que saí do aeroporto no primeiro dia, e fiquei sem carteira e passaporte, nunca mais tive problemas. A Cidade do Cabo é bem mais segura do que Joanesburgo, onde tinha de ir às vezes. Foi uma experiência fantástica. Ainda havia muito apartheid escondido, mas estive em escolas com crianças brancas e negras. Foram anos memoráveis", conta João. Desses tempos em África, quase dez anos contando Zimbabwe e África do Sul, guardou "o carinho das pessoas, o afeto do povo". Chegou a ir a Moçambique, mas nunca a essa Nampula onde nasceu. "Conheci Mia Couto e num livro assinado que me deu chama-me de "mano macua". Não sei como soube que eu era do Norte de Moçambique."

Novo regresso a Lisboa, agora até já como professor efetivo numa escola em Sintra apesar de não ter horário. Soube-lhe bem o contacto renovado com a cultura, com o mundo moderno, pois em África vivia-se a outro ritmo e noutro mundo. Foi convidado para trabalhar no gabinete de relações internacionais do Ministério da Educação, onde tratava dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália e de alguns outros países. Serviu para lhe dar experiência administrativa, "à-vontade a mexer com papelada", relembra. E então surge novo desafio lá fora: ser consultor do Departamento de Educação do Massachusetts. Foi selecionado.

"Cheguei a Boston em janeiro de 2009. Estava muita neve e um frio desgraçado. Nunca imaginei que quase uma década depois ainda cá estaria e com muita vontade de continuar. Com os americanos o contacto é cordial, mas custa fazer amizades, ir à casa de alguém. Já com a comunidade portuguesa é tudo uma generosidade permanente. Gosto de ir às festas, às romarias, aos restaurantes típicos. E fico sempre muito feliz quando percebo tanto amor a Portugal", conta João. De consultor ao serviço do governo do Massachusetts, com a missão de trabalhar com as escolas públicas do estado onde se ensina português, a adjunto da Coordenação do Ensino de Português nos Estados Unidos foi um salto. Ao serviço do Instituto Camões passou em 2010 a integrar o consulado em Boston, cidade que o encanta mas de que se queixa de ser "muito cara, porque aqui é terra do old money". Além das funções de coordenação do ensino de português, que o levam a escolas luso-americanas a toda a hora, envolveu-se também na organização do Boston Portuguese Festival, uma iniciativa que começou com a cônsul -geral Manuela Bairos e tem sido apoiada pelos sucessivos cônsules, incluindo o atual, José Caroço Foi Liliana de Sousa, portuguesa de Olhão, que desafiou João a diversificar mais as atividades culturais da comunidade, juntar aos ranchos e às filarmónicas também os escritores. Neste ano João Tordo esteve em Boston para uma conferência na UMass e depois foi a mais sete universidades americanas falar sobre a literatura portuguesa. "Também já cá tivemos a Alice Vieira, o Gonçalo M. Tavares, o José Luís Peixoto, o José Eduardo Agualusa e tantos outros", sublinha João.

América, pois, por agora e no futuro também, se possível. E se João confessa que gostava muito de Barack Obama como presidente e que lhe desagrada a atitude antiemigrantes de Donald Trump, também diz que não sente verdadeira mudança no país, pelo menos não em Boston, bastião dos democratas, onde o presidente republicano não é figura muito querida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.