Ir a Algés aprender a 'parler le français'

São 07.30. O despertador toca. "Mariana, acorda!" Podia ser qualquer dia de semana, mas não. É sábado de manhã e a Mariana tem de acordar cedo porque é dia de francês.

Como qualquer criança de 8 anos, a Mariana tem inglês na escola. No caso dela até teve desde o primeiro ano. E se ainda tem dificuldade em construir uma conversa, há muita coisa que vai ficando na cabeça, dos nomes de animais como cat, frog ou rabbit, a cores como red, blue ou purple, passando pelas divisões da casa ou os graus de parentesco.

Mas se a Mariana já se habituou às sextas-feiras à tarde a ir da escola ao instituto para mais uma hora de inglês, no início deste ano passou a ter as manhãs de sábado ocupadas com uma nova língua.

Saber inglês hoje é uma verdadeira necessidade, tal a força que este adquiriu em todos os aspetos da nossa vida. Basta pensar que quando viajamos o inglês se tornou a língua em que comunicamos seja quase em que país for.

Talvez por isso decidimos que estava na hora de Mariana aprender uma outra língua. E porquê o francês? Bom, primeiro porque é uma grande língua que abre a quem a fala todo um universo cultural. E ler no original as obras de Zola, Proust, Sartre, Victor Hugo ou Simone de Beauvoir é um prazer inegável. Os pais conseguem, o irmão mais velho também, ela também um dia conseguirá.

Depois de alguns esforços e perguntas, percebemos que aulas para crianças só na Alliance Française de Algés ou no Parque das Nações, este último em Lisboa mas apesar de tudo menos prático de ir a partir de Benfica. E a Mariana agora passa os sábados de manhã a aprender as cores como o rouge, bleu ou noir, animais como o mouton, vache ou chien, mas também os números ou os frutos.

Por vezes baralha-se um pouco com o inglês. Mas está a gostar muito. E nem se queixa de ter de se levantar cedo.

Se eu podia ter ajudado? Podia. Quando se viveu na Suíça de língua francesa até aos 13 anos ainda se tem um francês bastante razoável. Mas a inércia fez que não começasse logo a falar com a Mariana quando ainda era bebé.

Se estou arrependida? Um pouco. Por um lado, quando o despertador toca às 07.30 aos sábados. Por outro, porque a minha filha podia ser bilíngue sem grande esforço e não é. Mas agora está na hora de aprender a parler le français. Mesmo que tenha de ir até Algés todos os sábados para isso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.