Inglesa que tinha desaparecido no aeroporto de Faro já está a caminho de casa

Mulher tinha sido impedida de entrar no avião. Irmão diz que mulher sofre de distúrbios psicológicos e que foi abandonada pelo namorado no aeroporto.

Uma mulher de nacionalidade inglesa que tentou embarcar esta segunda-feira num avião de regresso ao seu país, foi impedida de viajar e a família lançou um apelo nas redes sociais para a encontrar. Um estranho que a reconheceu - depois de ver as notícias do desaparecimento - acabou por ajudar a mulher, disse um familiar nas redes sociais. Entretanto, a PSP confirmou ao DN que a cidadã inglesa já está a caminho de casa.

"A Polícia de Segurança Pública informa que, no dia 4 de agosto, no aeroporto de Faro, Victoria Cunningham foi excluída do voo por não se encontrar em condições de embarcar de acordo com as regras da companhia aérea", lê-se no comunicado da PSP enviado ao DN.

As primeiras notícias davam conta que a mulher estaria embriagada, mas John Whaite, o irmão, explicou que Victoria Cunningham sofre de distúrbios psicológicos e que tinha sido abandonada no aeroporto de Faro pelo namorado.

Foi ele quem, também no Twitter, contou que "um estranho" tinha reconhecido e ajudado a sua irmã, aproveitando para agradecer a todos os que ajudaram "a salvar uma vida".

"Através de um familiar, adquiriu bilhete para o voo com destino a Liverpool, no dia seguinte, tendo permanecido nas imediações do aeroporto nos bancos exteriores (junto às zona das chegadas) e mais tarde abandonou voluntariamente o aeroporto, desconhecendo-se o seu destino", explica, por sua vez, a PSP, que dá conta ainda que durante o da de hoje "a irmã da cidadã em causa, compareceu na Esquadra aeroportuária da PSP de Faro informando que a Senhora Victoria Cunningham foi encontrada em Olhos d´agua/Albufeira".

Na página do Facebook "Brits in Portugal" - que partilhou os apelos de Jonh Whaite para encontrar a irmã - foi publicado um post durante a tarde desta terça-feira a informar que Victoria Cunningham tinha sido encontrada e já estava de volta a casa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.