Inédito mundial. Luxemburgo vai ter todos os transportes públicos grátis

Novo governo liderado por Xavier Bettel tomou posse, dias depois de ter anunciado a legalização da canábis. Agora vai estender a gratuitidade dos transportes públicos a todos como medida para desincentivar o uso do automóvel.

A chamada coligação Gâmbia, formada pelo azul do Partido Democrata, do vermelho do Partido Socialista, e do verde dos Verdes, renovou a coligação governamental iniciada em 2013. Até 2023, um dos países mais ricos da União Europeia vai investir mais no ambiente e nos serviços públicos e a medida bandeira dessa política vai ser o alargamento da gratuitidade dos transportes públicos a toda a gente. Até agora, só os jovens é que estão isentos de pagar pelos transportes.

A medida irá entrar em vigor a partir do verão de 2019 e tem como objetivo encorajar mais pessoas a deslocarem-se de transportes públicos em vez de automóvel. O tráfego na Cidade do Luxemburgo é um problema complicado.

Mil milhões por ano

O sistema de transportes públicos do Luxemburgo custa mil milhões de euros por ano. Só tem 30 milhões de receitas - além da isenção aos mais novos, até agora os cidadãos podiam pagar um passe anual para comboio, autocarro e elétrico de 150 euros.

O Luxemburgo passa a ser o primeiro país do mundo a ter transportes gratuitos.

Na Estónia, os transportes públicos são gratuitos na capital, Tallinn, desde 2013. Em julho, a medida foi alargada às regiões que mostraram interesse no sistema. Mas das 15 regiões que formam o país, três optaram por manter o pagamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.