Há perto de 70 mil centenários no Japão e quase 90% são mulheres

Governo japonês atribui o máximo histórico aos avanços da medicina e aumento da consciência dos cidadãos sobre a saúde

O número de centenários atingiu este mês um máximo histórico no Japão, onde 69.785 pessoas vivem há 100 ou mais anos e uns esmagadores 88,1% são mulheres, anunciou o Governo nipónico.

O número foi avançado, como já é habitual, na terceira segunda-feira do mês de setembro, data em que se celebra o Dia do Idoso no Japão.

Este ano, e com mais 2.014 centenários do que em 2017, o Ministério da Saúde, do Trabalho e do Bem-Estar japonês atribuiu o recorde aos avanços da medicina e ao aumento da consciência sobre a saúde.

Entre os japoneses que atingiram a barreira dos 100 anos, há uma esmagadora maioria: 61.454 mulheres contra 8.331 homens, incluindo o antigo primeiro-ministro Yasuhiro Nakasone, que cumpriu um século em maio.

Desde 1971 que o número de centenários cresce todos os anos neste país asiático, conhecido há muito pela longevidade dos seus habitantes.

Estima-se que daqui a cinco anos vivam mais de 100 mil centenários naquele país, e daqui a uma década mais de 170 mil. As previsões são do Instituto Nacional de Pesquisa sobre a População.

Aos 115 anos e 258 dias, a japonesa Kane Tanaka é hoje a mulher mais velha do país e, desde abril, a pessoa mais velha do mundo, de acordo com a associação norte-americana Gerontology Research Group (GRG).

Por sua vez, o homem mais velho é Masazo Nonaka, com 113 anos e 54 dias. Nonaka nasceu a 25 de julho de 1905 na ilha de Hokkaido, onde ainda vive numa pousada com fontes termais igualmente centenárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.