Guterres "profundamente inquieto" com escalada de violência em Ghouta oriental

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 100 civis, incluindo 15 crianças, foram mortas na terça-feira

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou-se hoje "profundamente inquieto" perante a escalada da violência no enclave rebelde de Ghouta oriental, região nos arredores de Damasco controlada por forças que ainda resistem ao regime sírio.

"O secretário-geral está profundamente preocupado com a situação no Ghouta Oriental e com o impacto devastador que está a ter sobre os civis", disse o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), mais de 100 civis, incluindo 15 crianças, foram mortas na terça-feira em Ghouta oriental, elevando para 225 o número de civis mortos desde domingo.

As tropas de Damasco preparam-se para desencadear uma operação terrestre de envergadura contra este bastião rebelde, o último perto de Damasco, cercado desde 2015 e onde ainda permanecem 400.000 pessoas.

O regime pretende retomar o controlo de Ghouta para pôr termo aos disparos de 'rockets' dos rebeldes sobre Damasco. Segundo a agência oficial Sana, nove civis foram mortos e 498 feridos em bombardeamentos rebeldes sobre a capital na terça-feira.

António Guterres exortou todas as partes envolvidas no conflito a respeitar os princípios fundamentais dos direitos humanos, incluindo a proteção de civis durante conflitos armados, disse o porta-voz do secretário-geral da ONU.

"Quase 400 mil pessoas no Ghouta oriental estão sujeitas a ataques aéreos e bombardeios", denunciou Dujarric.

Sitiados pelas forças do governo sírio, os residentes do leste de Ghouta "vivem em condições extremas, particularmente de desnutrição", disse Dujarric.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.