Governo de Itália foi informado há seis meses de falhas na estrutura da ponte Morandi

O anterior executivo foi informado das fragilidades da ponte Morandi meses antes de a estrutura desabar. Um estudo revelava que os pilares que sustentam a ponte tinham perdido 20% da capacidade de resistência.

Em fevereiro, o Ministério dos Transportes italiano foi informado das fragilidades da ponte Morandi, parte de cuja estrutura desabou no passado dia 14, provocando a morte a 43 pessoas em Génova. O executivo de Matteo Renzi sabia que a corrosão dos pilares que sustentam a estrutura diminuíra em 20% a capacidade de resistência dos cabos metálicos. A conclusão é de um estudo da própria concessionária da A10, a Autostrade per L'Italia, que foi divulgado esta segunda-feira pela revista L' Espresso.

"Foram encontrados alguns aspetos questionáveis sobre a resistência do betão", lia-se no documento da concessionária. Desde essa altura e até ao desabamento de parte da estrutura da ponte Morandi passaram seis meses e nada foi feito para minimizar os riscos do desgaste que a estrutura apresentava. "Nem a empresa concessionária nem o Ministério consideraram ter que limitar o tráfego, desviar os veículos pesados, reduzir as faixas de rodagem, limitar o a velocidade", escreve a publicação, que revela a ata da reunião na qual a gestão das Obras Públicas de Génova emite a obrigatoriedade de um parecer em relação ao projeto de reestruturação da Autostrade per L'Italia.

Aliás, a ata da reunião sobre os eventuais trabalhos a realizar na estrutura da ponte, é assinada pelo arquiteto Roberto Ferraza, de Génova, o mesmo designado pelo atual governo para liderar as investigações para apurar as causas do colapso de parte da estrutura da ponte.

Ao Financial Times , Ferraza garante não considerar que haja conflito de interesses ao assumir as investigações que estão em curso. "Fui nomeado", justifica. Recua no tempo e lembra que em fevereiro foi comunicada a necessidade de efetuar trabalhos de reparação e manutenção da ponte Morandi. O arquiteto conta que o projeto relativo às obras foi enviado para Roma para a aprovação final, o que, de facto, aconteceu. As obras foram aprovadas pelo Ministério, conta o jornal, e um concurso, no valor de 20 milhões de euros, foi anunciado em maio.

Revelações que questionam a atitude do atual governo que culpa a empresa concessionária. O vice-primeiro-ministro, Luigi Di Maio, foi taxativo. "Os responsáveis têm um nome e um sobrenome: Autostrade per L'Italia", acusou.

Já o ministro das Infraestruturas, Danilo Toninelli, disse numa mensagem na rede social Facebook que "os diretores da Autostrade per l'Italia devem demitir-se antes de mais nada" e avançou que o governo italiano "ativou todos os procedimentos para a possível revogação das concessões e a imposição de uma multa de até 150 milhões de euros".

Ponte é um "erro de engenharia"

A empresa recusa responsabilidades e afirmou ter cumprido todos os requisitos de segurança. "Os diagnósticos compuseram a base para as obras de manutenção aprovadas pelo Ministério dos Transportes, de acordo com a lei e com os termos do contrato de concessão", afirmou a empresa, num comunicado citado pela Reuters.

Mas os alertas para as fragilidades da ponte já têm dois anos. O engenheiro e professor universitário Antonio Brencich afirmou que "o viaduto Morandi apresentou desde o início diversos aspetos problemáticos, além de ter ficado acima dos custo inicialmente estimado. Numa entrevista à Universidade de Génova, o especialista defendia que a ponte Morandi era "um erro da engenharia e deve ser reconstruída em breve porque os custos de manutenção serão exorbitantes e superarão os da construção".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.