Governo de Itália foi informado há seis meses de falhas na estrutura da ponte Morandi

O anterior executivo foi informado das fragilidades da ponte Morandi meses antes de a estrutura desabar. Um estudo revelava que os pilares que sustentam a ponte tinham perdido 20% da capacidade de resistência.

Em fevereiro, o Ministério dos Transportes italiano foi informado das fragilidades da ponte Morandi, parte de cuja estrutura desabou no passado dia 14, provocando a morte a 43 pessoas em Génova. O executivo de Matteo Renzi sabia que a corrosão dos pilares que sustentam a estrutura diminuíra em 20% a capacidade de resistência dos cabos metálicos. A conclusão é de um estudo da própria concessionária da A10, a Autostrade per L'Italia, que foi divulgado esta segunda-feira pela revista L' Espresso.

"Foram encontrados alguns aspetos questionáveis sobre a resistência do betão", lia-se no documento da concessionária. Desde essa altura e até ao desabamento de parte da estrutura da ponte Morandi passaram seis meses e nada foi feito para minimizar os riscos do desgaste que a estrutura apresentava. "Nem a empresa concessionária nem o Ministério consideraram ter que limitar o tráfego, desviar os veículos pesados, reduzir as faixas de rodagem, limitar o a velocidade", escreve a publicação, que revela a ata da reunião na qual a gestão das Obras Públicas de Génova emite a obrigatoriedade de um parecer em relação ao projeto de reestruturação da Autostrade per L'Italia.

Aliás, a ata da reunião sobre os eventuais trabalhos a realizar na estrutura da ponte, é assinada pelo arquiteto Roberto Ferraza, de Génova, o mesmo designado pelo atual governo para liderar as investigações para apurar as causas do colapso de parte da estrutura da ponte.

Ao Financial Times , Ferraza garante não considerar que haja conflito de interesses ao assumir as investigações que estão em curso. "Fui nomeado", justifica. Recua no tempo e lembra que em fevereiro foi comunicada a necessidade de efetuar trabalhos de reparação e manutenção da ponte Morandi. O arquiteto conta que o projeto relativo às obras foi enviado para Roma para a aprovação final, o que, de facto, aconteceu. As obras foram aprovadas pelo Ministério, conta o jornal, e um concurso, no valor de 20 milhões de euros, foi anunciado em maio.

Revelações que questionam a atitude do atual governo que culpa a empresa concessionária. O vice-primeiro-ministro, Luigi Di Maio, foi taxativo. "Os responsáveis têm um nome e um sobrenome: Autostrade per L'Italia", acusou.

Já o ministro das Infraestruturas, Danilo Toninelli, disse numa mensagem na rede social Facebook que "os diretores da Autostrade per l'Italia devem demitir-se antes de mais nada" e avançou que o governo italiano "ativou todos os procedimentos para a possível revogação das concessões e a imposição de uma multa de até 150 milhões de euros".

Ponte é um "erro de engenharia"

A empresa recusa responsabilidades e afirmou ter cumprido todos os requisitos de segurança. "Os diagnósticos compuseram a base para as obras de manutenção aprovadas pelo Ministério dos Transportes, de acordo com a lei e com os termos do contrato de concessão", afirmou a empresa, num comunicado citado pela Reuters.

Mas os alertas para as fragilidades da ponte já têm dois anos. O engenheiro e professor universitário Antonio Brencich afirmou que "o viaduto Morandi apresentou desde o início diversos aspetos problemáticos, além de ter ficado acima dos custo inicialmente estimado. Numa entrevista à Universidade de Génova, o especialista defendia que a ponte Morandi era "um erro da engenharia e deve ser reconstruída em breve porque os custos de manutenção serão exorbitantes e superarão os da construção".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.