Génova: imagens aéreas mostram destruição causada pelo colapso da ponte

Casas e fábricas próximas da zona foram evacuadas.

Imagens aéreas captadas a partir de um helicóptero dos bombeiros de Génova mostram o cenário de destruição causado pelo colapso da ponte Morandi, em Génova, Itália.

Quando parte da estrutura caiu, esta manhã, arrastou 35 carros e três camiões em direção ao vazio, uma queda de cerca de 90 metros.

Apesar da chuva e do cinzento do céu - as autoridades acreditam que além de uma falha na estrutura, o mau tempo ajudou a causar o desastre -, é nítido o caos causado pela queda de toneladas de pedra, ferro e veículos ligeiros e pesados.

O impacto foi tão forte, que os prédios e fábricas próximas da ponte foram evacuados e cerca de cinquenta pessoas retiradas das suas casas, uma vez que podem ocorrer novos colapsos.

Estão confirmadas 35 vítimas mortais e 13 feridos, cinco deles graves. As equipas de resgate procuram 12 desaparecidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.