Gémeos de um ano morrem esquecidos no carro em Nova Iorque

Só neste ano já morreram outras 21 crianças em circunstâncias semelhantes nos Estados Unidos

Dois bebés de onze meses, gémeos, morreram após terem sido esquecidos no carro durante oito horas, no Bronx, Estados Unidos.

Segundo a polícia nova-iorquina, os bebés foram encontrados inconscientes no banco de trás do carro, na sexta-feira à tarde, e declarados mortos no local. As temperaturas rondavam os 30 graus.

O pai, de 39 anos, terá deixado os bebés no carro por esquecimento, depois de sair para trabalhar no hospital Fordham Manor VA, onde é assistente social. Só se terá apercebido que as crianças estavam no banco de trás quando saiu do trabalho, e já no caminho para casa, por volta das 16.30, altura em que pediu ajuda, segundo a NBC. O homem foi detido para ser interrogado.

Só neste ano já morreram outras 21 crianças em circunstâncias semelhantes nos Estados Unidos, segundo dados do Departamento de Meteorologia e Clima da Universidade de San José, que monitoriza este tipo de acidentes. No ano passado foram 52.

De acordo com um estudo desde departamento, em mais de metade dos 795 casos registados nos últimos 20 anos, as crianças foram esquecidas nos carros pelos cuidadores, pais, avós ou outros. Este tipo de acidente é muito mais comum com bebés até dois anos.

A Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI) lembra que "deixar uma criança sozinha no carro é extremamente perigoso". No verão, as temperaturas no interior do carro sobem rapidamente quando o carro está ao sol e podem provocar desidratação, doença grave ou mesmo a morte, sobretudo em bebés.

Para evitar esquecimentos, a APSI aconselha que se deixe a mala ou carteira com a criança, no banco de trás, ou que se mantenha um objeto do bebé à frente, um brinquedo ou as fraldas, por exemplo.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.