Furacão Florence já está a provocar chuvas e ventos fortes na Carolina do Norte

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul

O furacão Florence, cuja intensidade diminuiu ligeiramente nas últimas horas de hoje, está a provocar chuvas intensas e ventos fortes na costa sudeste da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da América.

Com ventos na ordem dos 165 quilómetros/hora, o Florence deverá alcançar terra a partir de sexta-feira à tarde em algum ponto da costa sudeste da Carolina do Norte, indicou o Centro Nacional de Furacões norte-americano (NHC, na sigla original), num boletim emitido às 14:00 locais (19:00 em Lisboa).

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul.

O Florence, que chegou a ter ventos máximos de 220 quilómetros/hora como furacão de categoria 4, baixou para categoria 2 na escala de intensidade de Saffir-Simpson, de um máximo de 5, e continuou a enfraquecer ligeiramente.

Apesar da perda de força, os peritos alertam que se trata de um sistema de grande tamanho, muito bem organizado, que mantém o seu potencial destrutivo pelo perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas, à sua passagem.

A Agência Federal para a Gestão de Emergências apontou que o maior perigo que representa a tempestade é a "tremenda quantidade de água" que descarregará ao passar pela Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, na costa leste dos EUA.

Segundo o provável padrão de trajetória, de acordo com o NHC, o olho do furacão aproxima-se hoje à tarde das costas das Carolinas e esta noite ou sexta-feira deverá mover-se para perto ou sobre a costa sul da Carolina do Norte e leste da Carolina do Sul.

Não são esperadas grandes alterações na intensidade do sistema antes que o seu olho toque terra, na costa sudeste norte-americana, com uma debilitação progressiva à medida que se mova terra dentro.

Áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se

Com a aproximação aos EUA do Florence, cujos ventos e chuvas já começaram a sentir-se hoje, o NHC emitiu um aviso de furacão abrangendo as duas Carolinas e uma vigilância de furacão na Carolina do Sul e do Norte e até à fronteira com a Virgínia.

Mantém-se um aviso de maré ciclónica na zona, com o NHC a alertar para a "possibilidade de inundações que ameaçam a vida" devido a um aumento do nível do mar, "movendo-se terra dentro".

Devido a esta perigosa maré ciclónica, áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se devido a um aumento do nível do mar, que poderá alcançar até quatro metros, com possíveis "ondas grandes e destruidoras".

Além do Florence, no nordeste do Atlântico está ativa a Helene, que desceu de furacão para tempestade tropical nas últimas horas.

A Helene arrasta ventos máximos de 110 km/h e desloca-se em direção ao norte do Atlântico, com uma velocidade de 22 km/h, pelo que não representa uma ameaça para zonas populosas.

A tempestade estava àquela hora a 1.825 quilómetros a sudoeste da base aérea das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, e os peritos estimam que deverá continuar a perder força nas próximas 72 horas.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, os efeitos do Helene deverão começar a fazer-se sentir a partir da tarde de sábado no grupo ocidental dos Açores, ilhas das Flores e do Corvo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.