Furacão Florence já está a provocar chuvas e ventos fortes na Carolina do Norte

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul

O furacão Florence, cuja intensidade diminuiu ligeiramente nas últimas horas de hoje, está a provocar chuvas intensas e ventos fortes na costa sudeste da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da América.

Com ventos na ordem dos 165 quilómetros/hora, o Florence deverá alcançar terra a partir de sexta-feira à tarde em algum ponto da costa sudeste da Carolina do Norte, indicou o Centro Nacional de Furacões norte-americano (NHC, na sigla original), num boletim emitido às 14:00 locais (19:00 em Lisboa).

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul.

O Florence, que chegou a ter ventos máximos de 220 quilómetros/hora como furacão de categoria 4, baixou para categoria 2 na escala de intensidade de Saffir-Simpson, de um máximo de 5, e continuou a enfraquecer ligeiramente.

Apesar da perda de força, os peritos alertam que se trata de um sistema de grande tamanho, muito bem organizado, que mantém o seu potencial destrutivo pelo perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas, à sua passagem.

A Agência Federal para a Gestão de Emergências apontou que o maior perigo que representa a tempestade é a "tremenda quantidade de água" que descarregará ao passar pela Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, na costa leste dos EUA.

Segundo o provável padrão de trajetória, de acordo com o NHC, o olho do furacão aproxima-se hoje à tarde das costas das Carolinas e esta noite ou sexta-feira deverá mover-se para perto ou sobre a costa sul da Carolina do Norte e leste da Carolina do Sul.

Não são esperadas grandes alterações na intensidade do sistema antes que o seu olho toque terra, na costa sudeste norte-americana, com uma debilitação progressiva à medida que se mova terra dentro.

Áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se

Com a aproximação aos EUA do Florence, cujos ventos e chuvas já começaram a sentir-se hoje, o NHC emitiu um aviso de furacão abrangendo as duas Carolinas e uma vigilância de furacão na Carolina do Sul e do Norte e até à fronteira com a Virgínia.

Mantém-se um aviso de maré ciclónica na zona, com o NHC a alertar para a "possibilidade de inundações que ameaçam a vida" devido a um aumento do nível do mar, "movendo-se terra dentro".

Devido a esta perigosa maré ciclónica, áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se devido a um aumento do nível do mar, que poderá alcançar até quatro metros, com possíveis "ondas grandes e destruidoras".

Além do Florence, no nordeste do Atlântico está ativa a Helene, que desceu de furacão para tempestade tropical nas últimas horas.

A Helene arrasta ventos máximos de 110 km/h e desloca-se em direção ao norte do Atlântico, com uma velocidade de 22 km/h, pelo que não representa uma ameaça para zonas populosas.

A tempestade estava àquela hora a 1.825 quilómetros a sudoeste da base aérea das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, e os peritos estimam que deverá continuar a perder força nas próximas 72 horas.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, os efeitos do Helene deverão começar a fazer-se sentir a partir da tarde de sábado no grupo ocidental dos Açores, ilhas das Flores e do Corvo.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."