Ex-presidente do Peru morre após dar um tiro na cabeça para evitar ser preso

Alan García terá disparado um tiro na cabeça quando os agentes chegaram à sua casa e morreu depois de ter sido internado de emergência. Era suspeito de receber subornos da Odebrecht para a sua campanha de 2006.

O ex-presidente peruano Alan García morreu hoje depois de ter dado um tiro na cabeça e de ter sido internado de emergência no Hospital Casimiro Ulloa, em Lima. García era suspeito de ter recebido subornos da empresa brasileira Odebrecht, para a sua campanha em 2006.

García foi presidente do Peru de 1985 a 1990 e novamente de 2006 a 2011. A justiça peruana ordenou esta terça-feira a sua detenção preliminar de García por dez dias, assim como do seu ex-secretário da Presidência, Luis Nava, o ex-vice-presidente de Petroperú, Miguel Atala, e dos respetivos filhos, José Antonio Nava e Samir Atala. A ordem de detenção foi feita a pedido do fiscal Domingo Pérez, que investiga o ex-presidente pelos supostos crimes de lavagem de dinheiro, tráfico de influências e conluio no marco do caso Odebrecht.

Hoje, segundo o seu secretário pessoal, Ricardo Pinedo, confirmou ao jornal La República entrou no quarto depois de se aperceber que o procurador estava à porta da sua casa. Tendo depois disparado sobre si. Segundo os media peruanos, o antigo presidente ainda foi operado de emergência, mas sem sucesso, no Hospital Casimiro Ulloa, em Lima.

O atual presidente peruano, Martín Vizcarra, utilizou o Twitter para desejar as suas condolências à família e aos amigos de Alan Garcia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.