"EUA são grandes, Portugal é maior". Marcelo e Costa em banhos lusos de multidão

Presidente e primeiro-ministro tomam banhos de multidão em Boston e Providence e põem serviços de segurança em polvorosa. Milhares de luso-descendentes celebraram o dia de Portugal na praça do município.

"Deixem os homens falar connosco!" Este foi um dos muitos apelos escutados no caótico banho de multidão de Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa na praça do município de Boston, nos Estados Unidos da América.

No tiro de partida para a comemoração do dia de Portugal, a comitiva, vinda dos Açores, chegou com uma hora de atraso em relação ao previsto mas isso não demoveu a comunidade lusa que ali participava no festival português em Boston, uma celebração da cultura portuguesa e do papel da comunidade na sociedade norte-americana.,

Não há números oficiais, mas terão sido vários milhares de pessoas a concentrarem-se em frente ao City Hall, numa festa que envolveu petiscos, música folclórica e popular, ranchos, e, no final, os discursos de Costa e Marcelo.

O primeiro-ministro, que falou em português e inglês, arrancou aplausos entusiásticos quando afirmou que a comunidade luso-descendente já conquistou "com esforço e trabalho" o "direito a ter duas pátrias". "Podem por isso ser bons americanos sem deixarem de ser excelentes portugueses".

Mas os aplausos mais fortes estavam reservados para Marcelo, que não perdeu tempo a dizer ao que vinha; "Os Estados Unidos da América são um grande país, mas Portugal ainda é maior. Temos o maior país do mundo", afirmou ao som de aplausos prolongados. Depois pediu "o favor de torcerem por Portugal no campeonato Mundial de futebol" que está mesmo ao virar da esquina e terminou o discurso em apoteose: "Viva a cidade de Boston e o Estado de Massassuchets, viva os Estados Unidos da América, mas sobretudo viva o mais importante: Viva Portugal".

Logo de seguida, Marcelo fez o que faz melhor: perante o visível nervosismo das forças de segurança norte-americanas, pouco habituadas a lidar com situações deste tipo, mergulhou na multidão. E foram muitas dezenas de abraços, pares de beijinhos e selfies que Marcelo, acompanhado por Costa, ofereceu num percurso feito no meio da comunidade. Os agentes da autoridade, primeiro pacientemente, e depois com menos paciência, lá tentavam ir afastando os braços que abraçavam tanto presidente como primeiro-ministro assim como os microfones que tentavam captar o que iam dizendo. Mas sem grande efeito. Eram eles quem procurava o contacto com a população e os agentes pouco podiam fazer. Ao ponto de um começar a incentivar o contacto: depois de escutar uma criança de três ou quatro anos gritar "Portugal", um polícia disse-lhe: "Chama o presidente! Pode ser que ele te diga olá!"

Tochas flutuantes para comemorar a comunidade lusa

Marcelo e Costa seguiram do banho de multidão de Boston diretamente para a carrinha da comitiva que os levou a Providence, capital do Estado de Rhode Island, aquele em que a população portuguesa é, em proporção, maior, e onde participaram no evento WaterFire, uma celebração artística e de cultura popular, este ano dedicada a Portugal. Em homenagem às personalidades que mais se distinguiram entre a comunidade lusa, foram acessas 18 tochas, tendo Marcelo e Costa acendido uma cada. No final, todas se uniram, na "chama da portugalidade", que ardeu enquanto presidente da República e primeiro-ministro se dirigiram mais uma vez à comunidade.

"Fazemos a paz, não a guerra"

No palco, Marcelo e Costa foram recebidos e antecedidos nos discursos pelo Mayor (presidente da Câmara) de Providence, Jorge Elorza, e pela governadora do Estado de Rhode Island, Gina Raimondo. Ambos teceram elogios rasgados à comunidade luso-descendente, e ambos a comemoraram: o mayor ofereceu a Marcelo a chave da cidade e a governadora anunciou a criação de uma matrícula automóvel especial de comemoração do dia de Portugal em Rhode Island.

E se é sabido que os americanos levam muito a sério o tema das matrículas, Marcelo não falhou. Primeiro perguntou à governadora como podia ter uma para poder conduzir num eventual regresso ao local; depois conseguiu as gargalhadas da noite ao constatar que o mayor já tinha abandonado. "Foi-se embora e levou a minha chave!", exclamou, provocando risos prolongados na assistência. À saída do palco, Costa e Marcelo receberam novo banho de multidão, mais umas dezenas largas de selfies, abraços e pares de beijinhos.

Uma proximidade que impressionou quem assistia. O presidente "é um de nós", dizia Carlos Couto, açoreano emigrante nos Estados Unidos há meio século a quem a proximidade entre Presidente e a comunidade não deixou indiferente. "Vive normalmente, não tem peneiras", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.