Trump quer novo acordo:"Se conseguirmos, ótimo. Se não conseguirmos, não faz mal"

"Fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, e não de Paris". Trump confirma saída do Acordo de Paris

"Vamos sair", confirmou o presidente dos Estados Unidos, que afirmou que o país vai tentar encontrar um novo acordo mais justo. "Para cumprir o meu solene dever de proteger a América e os seus cidadãos, os Estados Unidos vão sair do Acordo de Paris".

O presidente voltou a afirmar que em primeiro lugar estão as vidas, empregos e negócios dos americanos e afirmou que não vai deixar que nada se ponha no caminho dos Estados Unidos.

"Uma a uma estamos a cumprir as promessas que fiz na campanha", afirmou Trump, mencionando o crescimento económico dos últimos meses, e "não quero que nada se ponha no nosso caminho".

"Fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, e não de Paris", continuou o presidente, que referiu várias vezes durante o discurso que a sua obrigação era com o povo americano e que este acordo prejudicava os Estados Unidos.

"As nações que nos pedem para ficar no acordo são as mesmas" que custaram milhões aos americanos, acusou. "Eles não põem a América primeiro, eu ponho."

Trump afirmou que vai encetar negociações para rever o Acordo de Paris ou iniciar um novo acordo que seja mais justo para os EUA. "Se conseguirmos, ótimo. Se não conseguirmos, não faz mal", continuou o presidente.

Este novo acordo terá de ter responsabilidades e encargos divididos justamente entre todos os países membros, defendeu Trump,p rotegendo não só o ambiente, como os "cidadãos e empregos" norte-americanos e os Estados Unidos. Para o atual inquilino da Casa Branca, raramente é feito um acordo que não prejudique os Estados Unidos.

Assim, disse, está terminada a partir de hoje a implementação de qualquer medida não vinculativa do Acordo de Paris.

"O Acordo de Paris é MAU para os Americanos e a ação do presidente de hoje cumpre a promessa que fez durante a campanha de colocar os empregos Americanos em primeiro lugar", lia-se no comunicado da Casa Branca dado esta quinta-feira a membros do congresso, segundo o Washington Post. "O acordo foi mal negociado pela administração Obama assinado por desespero".

Veja na íntegra a conferência de imprensa:

A administração Trump afirma que este acordo representa muitos custos para o povo americano.

O Acordo de Paris, que foi acordado por quase 200 países na capital francesa em 2015, tem como objetivo limitar o aquecimento global, em parte reduzindo as emissões de dióxido de carbono. Ao abrigo deste pacto, os EUA comprometeram-se a reduzir as emissões em 26% a 28% até 2025.

O acordo foi mal negociado pela administração Obama assinado por desespero

Apenas dois países não assinaram este acordo: Nicarágua e Síria. A China é o único país que emite mais gases poluentes que os Estados Unidos, algo que Trump parece ter levado em conta quando afirmou que o aquecimento global foi inventado por chineses para prejudicar a economia norte-americana.

Durante a campanha eleitoral, Trump criticou o Acordo de Paris e questionou as mudanças climáticas e já como Presidente decidiu iniciar um processo para verificar se os EUA deviam continuar como parte daquele acordo.

Os cientistas preveem que a Terra atinja mais depressa níveis perigosos de aquecimento se os EUA saírem do acordo de Paris, porque os norte-americanos contribuem fortemente para a subida da temperatura.

Os cálculos sugerem que a retirada poderia resultar em emissões adicionais de três mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano, o suficiente para acelerar o degelo dos blocos de gelo, elevar o nível do mar e provocar mais eventos climactérios extremos.

No primeiro discurso que fez sobre alterações climáticas, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas considerou "absolutamente essencial" que o acordo de Paris contra as alterações climáticas seja concretizado.

António Guterres não evocou diretamente o nome de Donald Trump, mas afirmou que "se um governo coloca em causa a vontade e a necessidade mundiais quanto ao que respeita a este acordo, é uma razão para todos os outros se unirem ainda mais".

Os avisos dos empresários

Líderes empresariais norte-americanos apelaram a Trump que se mantenha no acordo. Entre estes estão os de Apple, Google e Walmart. Até empresas das energias fósseis, como ExxonMobil, BP e Shell, defenderam a permanência dos EUA no acordo.

O antecessor de Trump, Barack Obama, decretou o acordo sem a ratificação do Senado. Uma retirada formal iria levar anos, preveniram vários peritos, uma situação que motivou o presidente da Comissão Europeia a minimizar Trump, na quarta-feira.

O presidente norte-americano não "compreende a extensão" do acordo, apesar de os líderes europeus lhe terem tentado explicar o processo de saída "com frases simples e claras" durante a última semana.

Acordo de Paris "é essencial" para combater aquecimento global

A chanceler alemã, Angela Merkel, considerou o Acordo de Paris "essencial" para combater o aquecimento global, apenas algumas horas antes de o Presidente dos Estados Unidos se pronunciar sobre a possível retirada do país deste acordo.

"Trata-se, na minha opinião, de um tratado essencial", declarou Merkel à imprensa em Berlim, sublinhando que a Alemanha continuará "naturalmente" a aplicar as disposições do acordo e que "aguarda agora" a decisão de Donald Trump.

UE tem o dever de enfrentar os EUA

O presidente da Comissão Europeia afirmou que é "dever da Europa" enfrentar os EUA, se o Presidente Donald Trump decidir retirar o seu país do acordo de Paris de combate às alterações climáticas.

Jean-Claude Juncker disse que "os norte-americanos não podem sair à vontade do acordo", acrescentando que "isso leva três a quatro anos".

Juncker revelou que os líderes do Grupo dos 7 "tentaram explicar isto, em frases simples, ao senhor Trump", durante a recente cimeira que tiveram em Itália e acrescentou que, apesar de "parecer que esta tentativa falhou (...), a lei é a lei".

Num ataque à Presidência norte-americana, Juncker disse à audiência de um evento na Confederação dos Empregadores Alemães, em Berlim, que "nem tudo o que está escrito nos acordos internacionais são notícias falsas".

Indicadores-chave do aquecimento do planeta

Em 2016, o planeta bateu o terceiro recorde anual consecutivo de calor, com uma temperatura superior em 1,1ºC à média da era pré-industrial, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

O século XXI contabiliza já 16 dos 17 anos mais quentes registados desde 1880, quando se iniciaram as medições de temperatura.

Em certas regiões da Rússia, em 2016 a temperatura foi 6ºC a 7ºC superior à normal.

Nas grandes cidades, a temperatura poderá subir 8ºC até 2100.

No Ártico, a extensão dos bancos de gelo no verão foi, em 2016, a segunda menor, depois da verificada em 2012. A Antártida perdeu, na primavera austral (novembro), mais dois milhões de quilómetros quadrados de gelo face à média dos últimos 30 anos.

As concentrações dos três principais gases com efeito de estufa - dióxido de carbono, metano e óxido nitroso - atingiram novos recordes.

Há dois anos, pela primeira vez, a concentração de dióxido de carbono ultrapassou as 400 partes por milhão (ppm) à escala global.

Um estudo recente revelou que o nível dos mares aumentou 25% a 30% mais depressa entre 2004 e 2015, comparativamente ao período 1993-2004. Esta subida pode intensificar-se à medida que os glaciares e as calotes polares derretem.

O aquecimento global favorece ainda o aparecimento de fenómenos meteorológicos extremos, em particular a seca e as vagas de calor, mas também inundações e tempestades.

Segundo especialistas em climatologia, o número de períodos de seca, incêndios florestais, inundações e furacões duplicou desde 1990.

Os prejuízos anuais associados às catástrofes naturais estão calculados em 520 mil milhões de dólares (463 mil milhões de euros) e deixam na pobreza 26 milhões de pessoas.

Das 8.688 espécies ameaçadas ou quase ameaçadas, 19% foram já afetadas pelas alterações climáticas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.