Trump garante que vai assinar ordem para acabar com separação de famílias

Documento estava a ser preparado por Kirstjen Nielsen, que se deslocou à Casa Branca para conversar com a equipa presidencial. "Temos de manter as famílias juntas", disse Trump

A secretária da Segurança Nacional dos EUA, Kirstjen Nielsen, está a preparar uma proposta para apresentar ao Presidente Donald Trump para acabar com a separação de famílias na fronteira do país, avança a Associated Press.

Após a notícia ser conhecida, o Presidente dos EUA afirmou na Casa Branca que iria "assinar uma ordem executiva em breve".

"Temos de manter as famílias juntas" afirmou.

Fontes ouvidas pela AP afirmaram, inclusivamente, que Nielsen foi à Casa Branca para discutir a situação com a equipa do Presidente norte-americano.

Assim, o objetivo passará por manter as famílias juntas quando são detidas a passar a fronteira norte-americana ilegalmente.

A política "tolerância zero" de Donald Trump tem causado polémica e gerado críticas, internas e internacionais, sobre a situação. Entre meados de abril e final de maio, pelo menos duas mil crianças foram separadas dos pais.

Trump tem defendido a política e afirmou na passada terça-feira, no Twitter, que os EUA têm "sempre que prender as pessoas que entram no nosso país ilegalmente". "Das 12 mil crianças, dez mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles tentaram entrar no nosso país ilegalmente em várias ocasiões", acrescentou o Presidente.

As 12 mil crianças de que fala Trump é o número de menores que estão atualmente em centros de acolhimento, das quais dois mil foram separados dos pais, que por terem entrado ilegalmente no país são acusados de crimes federais e detidos em centros onde as crianças não podem estar.

Paul Ryan diz que lei da imigração vai a votos mas não dá garantias

O líder do Partido Republicano na Câmara dos Representantes, Paul Ryan, disse hoje que a lei da imigração será votada hoje, mas não deu garantias de terminar com a polémica separação dos filhos dos imigrantes ilegais.

"Por agora estamos focados em aprovar esta lei", disse Ryan aos repórteres, acrescentando que a solução negociada entre os conservadores os moderados republicanos "é um Plano B".

Nas declarações aos jornalistas, Ryan enfatizou que não concorda com a separação das crianças quando os pais são detidos por tentarem entrar ilegalmente no país.

A aprovação da lei, no entanto, continua em dúvida mesmo depois de o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se ter reunido com os republicanos esta semana sobre este tema.

Os líderes republicanos têm tentado ganhar apoio dos deputados republicanos, mas muitos acham que Trumpdevia ter mostrado mais apoio à lei que está a ser avançada pela liderança republicana.

De acordo com dados oficiais, cerca de dois mil menores imigrantes foram separados das famílias na fronteira com o México nas últimas seis semanas, devido à política de "tolerância zero" do Presidente dos EUA, Donald Trump, contra a imigração ilegal que implica tratar como criminosos os que entram no país sem documentos.Com Lusa

Notícia atualizada às 17:35 com declarações de Donald Trump

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?