Escolha de Trump para o Supremo investigou Bill Clinton e trabalhou com Bush

Brett Kavanaugh, de 53 anos, era um dos favoritos na corrida para substituir o juiz Anthony Kennedy. Além de ter sido um dos relatores do relatório Starr, trabalhou com George W. Bush.

O conservador Brett Kavanaugh, que investigou Bill Clinton por causa do escândalo Lewinsky na década de 1990 e trabalhou na Casa Branca com George W. Bush, foi o escolhido pelo presidente norte-americano, Donald Trump, para o lugar deixado vago pelo juiz Anthony Kennedy no Supremo Tribunal dos EUA.

"Exceto em declarações de guerra e de paz, esta é a decisão mais importante que um presidente pode tomar", lembrou Trump, antes de revelar a sua escolha.

"O que interessa não são as opiniões políticas dos juízes, mas se eles as podem pôr de lado e fazer o que a lei e a constituição exigem. Tenho o prazer de dizer que encontrei, sem dúvida, essa pessoa", afirmou o presidente, antes de anunciar o nome de Kavanaugh. O juiz está na Casa Branca com a família, a mulher Ashley (que foi secretária pessoal de Bush) e as duas filhas, além dos pais.

Percurso

Kavanaugh é um juiz de 53 anos que estudou em Yale e chegou a trabalhar para o homem que agora pode substituir na mais alta instância judicial federal dos EUA. O seu nome terá que ser confirmado pelo Senado, num processo que se advinha longo e complicado.

Juiz de recurso no Distrito da Colúmbia (Washington D.C.) desde 2006, mexe-se muito bem no círculo político de Washington. Kavanaugh fez parte da equipa do procurador-especial Ken Starr, que investigou o ex-presidente Clinton pelo seu caso com Monica Lewisky. Também trabalhou como assessor na Casa Branca de George W. Bush, onde conheceu a mulher.

Em outubro, esteve na decisão (depois revogada) de proibir uma jovem imigrante ilegal detida nos EUA de abortar. Na sua argumentação, criticou estar a ser aberta uma porta para os migrantes menores poderem abortar "a pedido" num centro de detenção das autoridades norte-americanas.

Kavanaugh é um textualista (é contra a interpretação da lei que não tenha por base o texto) e um originalista (a interpretação da Constituição não é dinâmica, deve adequar-se ao que era o pensamento da época em que foi ratificada).

"A minha filosofia judicial é simples. Um juiz deve ser independente e deve interpretar a lei, não fazer a lei", afirmou Kavanaugh, no discurso após ser oficialmente nomeado por Trump.

Segunda nomeação em menos de dois anos

Com menos de dois anos de mandato, Trump tem a hipótese de escolher o segundo juiz para o Supremo Tribunal, depois de ter nomeado Neil Gorsuch em janeiro de 2017.

A nova vaga no Supremo surge por causa da decisão do decano dos juízes, Anthony Kennedy, há 30 anos no cargo e com 81 de idade, de se reformar. Apesar de ser conservador, votou muitas vezes ao lados dos liberais em temas como o direito ao aborto ou a legalização do casamento homossexual.

"O juiz que Trump nomear pode muito bem ser o voto decisivo no Supremo nas próximas décadas", disse ao DN o professor de Direito da Universidade George Washington, David Fontana.

"É seguro dizer que, de uma forma geral, esta nomeação vai balançar o tribunal para a direita, mas é impossível prever em questões específicas", indicou Fontana, numa referência à eventual decisão de reabrir o debate sobre o direito ao aborto com a revisão da decisão Roe v. Wade, que o legalizou a nível nacional em 1973.

Roe v. Wade

Uma das questões que irá marcar a confirmação de Kavanaugh no Senado é o direito ao aborto. Além de Trump ter uma maioria pela margem mínima (51 republicanos contra 49 democratas), há senadoras republicanas que já disseram que não apoiariam um candidato que seja a favor de rever a histórica decisão de 1973.

Não é conhecida a posição de Kavanaugh sobre o tema, com Trump a dizer que não ia perguntar diretamente aos candidatos se queriam ou não revogar a decisão histórica. Contudo, será confrontado com isso nas audiências do Senado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.