A "besta de Clashindarroch" é um gato com mais de um metro

É um dos maiores gatos selvagens já encontrados e foi registado por uma câmara instalada na floresta de Clashindarroch, na Escócia

É apelidado de a "besta de Clashindarroch", mede 1,2 metros, do focinho à ponta da cauda, e é um dos maiores gatos selvagens encontrados no mundo. O felino foi registado por uma câmara instalada na floresta de Clashindarroch, em Aberdeenshire, na Escócia.

"Não queria acreditar no que os meus olhos estavam a ver quando observei, pela primeira vez, este gato. É enorme, um animal magnífico", conta Kev Bell, da organização Wildcat Haven, em entrevista à BBC.

O gato foi "apanhado" pela câmara no âmbito de um projeto de conservação de gatos selvagens da Escócia. Foram usadas várias armadilhas na floresta. Iscas e essências são colocadas na objetiva da câmara para atrair estes animais.

O projeto de conservação de gatos selvagens na Escócia já existe há 10 anos e pretende continuar a monitorizar a "besta de Clashindarroch" assim como outros gatos selvagens nas regiões escocesas de Caithness e Lochaber.

Estes felinos são silenciosos e as suas aparições são raras. De acordo com Kev Bell, existem entre 10 a 15 gatos selvagens na região. "As câmaras dão-nos uma fantástica perspectiva deste grupo de gatos selvagens, que de alguma forma sobreviveu nesta região", explica. "Algumas pessoas dizem que os gatos selvagens já não existem, mas animais como a 'besta de Clashindarroch' provam o contrário", acrescenta.

Segundo Steve Sleigh, outro funcionário da Wildcat Haven, refere que estes gatos são parte vital da natureza selvagem e ecológica da Escócia e "devem ser protegidos onde quer que vivam". "São dos animais mais raros do mundo", explica à BBC.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.