Internet não resiste às danças de Theresa May na visita à África do Sul

Vídeos da dança da primeira-ministra britânica tornaram-se virais. Mas há mais políticos que também arriscaram uns passos e foram filmados

De visita oficial à África do Sul, Theresa May tentou exibir a sua faceta de diplomata a dançar. Em três dias, May dançou duas vezes. E, nas duas prestações, o mundo reagiu com ironia e humor, até porque a primeira-ministra britânica não demonstrou grande aptidão para esta atividade, apesar dos sorrisos de quem a acompanhava.

Da primeira vez, May decidiu dançar com os alunos de uma escola tentando imitar-lhes os passos, mas a dança da crianças e aquela que a primeira-ministra protagonizou em nada foram semelhantes.

Indiferente às piadas nas redes sociais, Theresa May voltou a juntar-se a uma dança africana, desta vez num campo da ONU. E, também nesta ocasião, a dança da governante arrancou sorrisos a quem assistiu ao momento e, depois, ao vídeo.

Em poucas horas começaram a surgir montagens e memes no YouTube em que May surge a dançar vários estilos, como a música infantil "Baby Shark":

Ou o Gangnam Style:

E até houve quem tivesse lançado uma competição nas redes sociais. Qual dos políticos dança melhor, Theresa May, Boris Yeltsin, George W. Bush ou Obama?

Também em Portugal há políticos cujos momentos de dança se tornaram virais, mesmo numa altura em que as redes sociais nem sequer existiam. Recorde:

Aníbal Cavaco Silva:

Jerónimo de Sousa:

E, mais recentemente, António Costa:

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.