Efeito Frota. São cada vez mais os bolsonaristas arrependidos

Como o deputado e ex-ator, também um governador, dois músicos, um movimento popular, um realizador, um jurista e um par de comentadores já se desiludiram com o presidente da República. No total, dizem as sondagens, são, pelo menos, 7% dos seus eleitores de há dez meses.

"O mito fala a língua do povo, ele não precisa de mais de oito segundos de tempo de antena para mudar o Brasil, ele é um capitão, eu sou um soldado", dizia o ator pornográfico Alexandre Frota, às vésperas das eleições do ano passado, a propósito de Jair Bolsonaro. "A nomeação de Eduardo Bolsonaro como embaixador é o exemplo do que há de mais velho na política; nunca ninguém me dececionou tanto como Bolsonaro; tenho de passar a vida a limpar as 'cagadas' do governo; Bolsonaro é um idiota ingrato; Bolsonaro é infantil; fui melhor ator pornográfico do que ele foi soldado", são frases, proferidas nas últimas semanas e dias, pelo deputado federal Alexandre Frota.

O "Efeito Frota", isto é, o arrependimento, ou, pelo menos, a desilusão, por ter apoiado o atual presidente da República em outubro de 2018, não é exclusividade do antigo ator de telenovelas da TV Globo. Outras figuras na área da política, das artes, do jornalismo demonstram diferentes níveis de embaraço com a escolha.

Na população anónima, essa percentagem traduz-se, no mínimo, em 7% do eleitorado. Segundo sondagem da XP Investimentos, 33% dos cerca de 1000 inquiridos entre os dias 5 a 7 de agosto consideram o governo "bom ou ótimo". Em janeiro eram 40%. Por outro lado, em janeiro apenas 20% classificavam a prestação do presidente da República como má ou péssima. Nesta semana o número atingiu o recorde de 38%, quase o dobro.

"Não é exatamente arrependimento" - conta ao DN um eleitor de Bolsonaro que prefere manter o anonimato - "porque também não me via a votar hoje no [Fernando] Haddad, uma vez que o PT faliu o país e ainda apoia a ditadura do [Nicolás] Maduro". "Mas é muita desilusão porque ele fez crer que uma vez eleito seria minimamente moderado e só diz calamidades para agradar a meia dúzia de fanáticos, tenho arrependimento talvez de não ter anulado o meu voto".

Nas redes sociais, além de grupos como, por exemplo, o "bolsominions arrependidos" (geridos por anti-bolsonaristas convictos, sublinhe-se), há relatos de supostos desiludidos cuja veracidade não pode ser totalmente comprovada. "Tenho 42 anos, trabalho há mais de 20 e agora você quer tirar a minha aposentadoria, vou lutar para te tirar daí com a mesma convicção com que lutei para te botar aí", disse uma suposta ex-bolsonarista. "Ave Maria, vou arrancar esse Satanás da minha parede que isso é um cão", afirma uma avó, filmada pelo neto, ao retirar cartazes de campanha do presidente revoltada porque o governo "acabou com a universidade para os pobres". Um camionista, que diz o nome e a cidade, filma-se a queimar a t-shirt de Bolsonaro que ostentava orgulhoso há um ano.

E como os opositores de Bolsonaro têm acolhido os arrependidos? Segundo Pablo Ortellado, colunista do jornal Folha de S. Paulo e professor de políticas públicas, "muito mal". "Não só não os acolhem como frequentemente os empurram de volta para o campo do presidente", afirma o académico, citando respostas como "a culpa é de vocês", "votou nele, agora embala" e "vão todos se f...".

Em texto na revista Carta Capital, a professora de relações internacionais Esther Solano parece dar razão à perceção de Ortellado. "Asco. É o que sinto. Asco de quem agora esbraveja contra as barbaridades de Bolsonaro, mas ajudou, de uma ou outra forma, direta ou indiretamente, a colocá-lo no poder", diz. "Asco de quem tinha acesso às informações possíveis e ainda assim optou pelo caminho do ódio e da destruição, de quem, enfim, nos dias atuais, diante do cheiro insuportável do excremento nacional, sai por aí a repetir: "Não fui eu, não fui eu"", completa.

O ataque é dirigido não tanto ao eleitor comum mas sobretudo a protagonistas - como Frota. Ou como o ex-presidente do PSL Gustavo Bebianno, fidelíssimo braço-direito de Bolsonaro em campanha, que se tornou crítico após ser demitido de ministro em fevereiro no meio de uma rede de intrigas costurada pelo segundo filho presidencial, Carlos Bolsonaro. "É o fim da picada", disse ele à BBC Brasil sobre a nomeação de Eduardo, o filho 03, para Washington. "O Bolsonaro é autoritário e os filhos do Lula não davam tantos problemas", acrescentou ao jornal Folha de S. Paulo. O general Santos Cruz, outro ministro detido por influência do 02, resumiu o governo a "um show ​​​​​​​de besteiras".

João Doria (PSDB), governador de São Paulo e provável candidato no campo da direita às eleições de 2022, é um dos mais recentes exemplos de afastamento (talvez estratégico) de Bolsonaro. Antes da segunda volta das eleições, alinhou-se ao candidato presidencial ao ponto de sugerir aos paulistas o voto "BolsoDoria", ou seja, Bolsonaro para o Planalto e Doria para São Paulo, mas após as declarações do chefe de estado sobre Fernando Santa Cruz, preso, torturado e morto na ditadura militar, não só criticou como disse não existir alinhamento entre os governos de São Paulo e do Brasil.

Outro governador, o do estado de Santa Catarina, chamou de "excrescência política e jurídica" a isenção de aplicar agrotóxicos decidida pelo governo, considerou que quem tem preconceitos para com LGBT, comuns entre eleitores do presidente, deve "trabalhar para se livrar deles" e disse achar o gesto de imitar uma arma com a mão, imagem de marca de Bolsonaro e bolsonaristas, "uma sandice", em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Sucede que Carlos Moisés da Silva é do PSL, partido do presidente, e foi chamado de "mini-Bolsonaro" em campanha.

Miguel Reale Júnior, ministro de Fernando Henrique Cardoso e um dos subscritores do impeachment de Dilma Rousseff, também surpreendeu pelo ataque contundente a Bolsonaro, a quem chamou de "BolsoNero" e de "alucinado das trevas".Janaína Paschoal, outra das subscritoras, mesmo eleita deputada estadual em São Paulo pelo partido de Bolsonaro, confessou-se "chocada" com o presidente em mais de uma ocasião.

Líderes do Movimento Brasil Livre, um dos grupos mais ativos nas manifestações pro-impeachment fizeram mea culpa pela sua contribuição para a polarização do pais e admitiram que não tinham como objetivo derradeiro que fosse eleito o atual presidente. "Bolsonaro não consegue gerir nem a própria casa", disse o mais conhecido desses líderes, Kim Kataguiri, hoje deputado pelo DEM, de centro-direita.

Na área artística o arrependimento mais notório é o de José Padilha, realizador dos filmes êxito de bilheteira Tropa de Elite e da série pro-Lava-Jato O Mecanismo, no caso dele mais em relação ao hoje ministro da justiça Sergio Moro, a quem rasgara elogios, do que a propósito de Bolsonaro.

Também ex-adepto incondicional do ex-juiz da Lava-Jato, o ator Thiago Lacerda pediu a renúncia do ministro e a liberdade imediata de Lula da Silva, na esteira das revelações da Vaza Jato, o conjunto de reportagens liderado pelo site The Intercept Brasil.

Para Lobão, o músico mais conotado com a direita desde meados dos governos do PT e apoiante declarado do ex-capitão do exército, "Bolsonaro é um desastre". "Afunda-se em delírio persecutório e paranoico", disse ao jornal Valor Económico. Fagner, outro músico ex-bolsonarista, acha o governo "amador" e, numa sondagem muito pessoal, diz que "dos que votaram no Bolsonaro, 90% estão dececionados".

No comentário político, o historiador Marco Antonio Villa, despedido da rádio Joven Pan, muito próxima do governo, por ter criticado uma manifestação a favor de Bolsonaro e contra os outros poderes estimulada pelo próprio Bolsonaro, também mudou de opinião. E Rachel Sheherazade, jornalista do SBT conhecida pelas opiniões radicalmente à direita em relação ao crime, rompeu com o governo após afirmação considerada machista do vice-presidente Hamilton Mourão.

Bolsonaro e os bolsonaristas convictos não parecem, aparentemente, preocupar-se com as deserções. "Frota? Não sei nem quem é esse", disse o presidente na última quinta-feira.