É mais grave uma mulher abortar do que um padre abusar de crianças, diz bispo mexicano

O arcebispo da diocese de Tuxtla Gutiérrez, Fabio Martínez Castilla, acha que com o abuso "morre o futuro" da criança e que um aborto é "um assassínio"

Com a Igreja Católica em estado de choque com as acusações feitas pela justiça da Pensilvânia, uma imensa mancha suja de padres que abusaram sexualmente de menores, e num clima de guerra pelo poder em Roma, o arcebispo da diocese mexicana de Tuxtla Gutiérrez, capital do Estado de Chiapas, Fabio Martínez Castilla, avançou com uma comparação que pouco ajuda ao debate.

De acordo com várias publicações mexicanas, Fabio Martínez Castilla afirmou que, "qualitativamente", é "muito mais grave" que uma mulher aborte do que um padre abuse sexualmente de um menor. Em declarações feitas ao jornal local Noticias voz e imagen de Chiapas (e cujo link para a notícia dá uma mensagem de erro), o arcebispo defendeu que uma criança é abusada sexualmente "morre o seu futuro" e que, quando uma mulher interrompe a gravidez, comete "um assassínio".

"Então, qualitativamente é muito mais o aborto, mas quantitativamente as duas coisas provocam muito dano e merecem castigo, apontou, em declarações à repórter Itzel Grajales, na Catedral Metropolitana de San Marcos.

Para este arcebispo, os abusos sexuais a menores não são um exclusivo de padres. "O professor, o político, o médico e todos os que atentam contra a bondade e liberdade de uma criança devem ser condenados", defendeu.

Para Martínez Castilla, os sacerdotes pederastas não devem ser encobertos, mas sim presos e expulsos da Igreja Católica.

"O professor, o político, o médico e todos os que atentam contra a bondade e liberdade de uma criança devem ser condenados"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.