"É Jayme Closs. Chamem o 911!" Adolescente reaparece 3 meses após assassínio dos pais

Rapariga de 13 anos foi encontrada a menos de uma hora de carro de casa, magra e suja, mas bem.

Uma mulher que estava a passear o cão tropeçou numa rapariga magra e suja, com uns sapatos demasiado grandes para ela. Logo bateu à porta de uns vizinhos e gritou: "É a Jayme Closs! Chamem o 911". Estes assim fizeram, e depois de ligarem para o número de emergência, as autoridades confirmaram que a adolescente era de facto Jayme, cujos pais foram assassinados há três meses na sua casa no estado norte-americano do Wisconsin e que estava desaparecida desde então.

Os pais de Jayme, James de 56 e Denise, 46 anos, foram encontrados baleados em casa. Agora, a adolescente foi encontrada a menos de uma hora de viagem de carro da sua casa, numa zona rural. A polícia deteve um homem suspeito de ligação ao caso.

Num comunicado, a polícia do Wisconsin anunciou: "Prometemos trazer Jayme para casa e esta noite cumprimos essa promessa".

Sobre o que aconteceu nestes três meses, pouco ou nada se sabe. Os jornais locais como o Minneapolis Star Tribune ou a televisão KARE-TV deram conta do reaparecimento de Jayme a dez quilómetros de Gordon.

De acordo com a AP, a jovem ficou uns 20 minutos à espera das autoridades em casa do professor que chamou o 911, mas recusou comida ou água.

A 15 de outubro, a polícia recebeu uma chamada de emergência com origem na casa dos Closs em Barron. Foi feita de um telemóvel, mas ninguém disse nada. Quando os agentes chegaram ao local, depararam-se com os corpos dos pais de Jayme, mas nem sinal de armas, de suspeitos ou da adolescente.

Nos dias seguintes, a polícia emitiu um mandato de busca para Jayme, que acreditavam ter sido levada de casa por homens armados. Reapareceu agora, passados três meses.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.