Dinheiro para investigar desaparecimento de Maddie acaba no fim do mês

Polícia britânica pediu fundos para investigar por mais seis meses o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que desapareceu de um apartamento na Praia da Luz

No fim deste mês, a polícia britânica deixa de ter dinheiro para continuar a investigar o desaparecimento de Maddie McCann, a pequena inglesa que dormia num apartamento na Praia da Luz, em Lagos, em 3 de maio de 2007, para nunca mais voltar a ser vista, antecipa este domingo o jornal espanhol El País .

Segundo a imprensa britânica, já foram gastos mais de 12 milhões de euros e a Scotland Yard pediu que sejam atribuídos mais fundos financeiros para continuar a investigação por mais seis meses. A última injeção de dinheiro ocorreu em março, quando a polícia recebeu um financiamento complementar de mais 170 mil euros.

Desde o seu desaparecimento que não foi estabelecido o que terá acontecido realmente naquela noite de 3 de maio, há 11 anos. Os pais de Maddie acreditam que a criança, então com 4 anos, foi raptada.

A polícia portuguesa, que já encerrou a investigação há quatro anos, apontou várias pistas, sem nunca chegar a nenhuma conclusão - apesar do antigo inspetor da PJ Gonçalo Amaral, que dirigiu a investigação, ter defendido a culpabilidade dos pais, Gerry e Kate, mas o Ministério Público não acompanhou esta tese.

Maddie dormia num quarto na companhia de dois irmãos gémeos, no apartamento de um resort algarvio. Os pais jantavam com um grupo de amigos no restaurante do Ocean Club, a 50 metros do apartamento, quando a mãe, Kate, foi até ao quarto e constatou que a porta estava aberta e a filha mais velha tinha desaparecido.

Desde esse dia, Maddie nunca mais foi vista e apesar de, supostamente, ter sido avistada em muitas partes distintas do mundo, nenhuma pista se revelou consistente.

Em 2012, a polícia britânica atualizou o que seria o rosto da criança pequena, que tem uma marca na íris que não desaparece com a idade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.