Dez anos após a independência, Kosovo ainda divide a UE

Posições distintas no governo austríaco. Ministro alemão pressiona sérvios no âmbito de futura adesão. Augusto Santos Silva diz que reconhecimento do Kosovo por parte de Portugal não abalou relações com a Sérvia

Dez anos após a declaração unilateral da independência do Kosovo (data que hoje se assinala), a UE continua sem posição unânime sobre a questão. E com a perspetiva de um alargamento futuro aos Balcãs Ocidentais, com a Sérvia em destaque, o debate sobre o tema regressou em força por estes dias.

No fim de semana passado, em entrevista ao jornal sérvio Politika, o vice-primeiro-ministro da Áustria, Heinz-Christian Strache, disse que "o Kosovo é parte da Sérvia sem qualquer dúvida". Líder do partido de extrema-direita FPÖ, Strache foi depois corrigido pelo primeiro-ministro, Sebastian Kurz, obrigado a vir garantir: "A Áustria reconheceu o Kosovo há muito tempo e isso não vai mudar."

A Áustria, como Portugal, integrou as primeiras vagas de países a reconhecer o Kosovo em 2008. Apesar dos protestos da Sérvia (e da sua grande aliada Rússia). Questionado pelo DN sobre se Portugal fez bem em reconhecer a independência kosovar e se hoje voltaria a tomar a mesma medida, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva disse: "Foi uma decisão tomada pelo governo em 2008 e que eu respeito." O chefe da diplomacia garante que isso não afetou as relações com a Sérvia. "Do ponto de vista político-diplomático são muito boas. São-no tradicionalmente e não foram afetadas pelo reconhecimento. A Sérvia percebeu as razões de Portugal."

Com uma das populações mais jovens da Europa (53% dos habitantes tem menos de 25 anos), uma taxa de desemprego de 34,8%, o radicalismo islâmico à espreita e as tensões entre albaneses e sérvios sempre latentes, o Kosovo é um dos países mais pobres do continente. Durante muito tempo um protetorado internacional, gerido por missões da ONU, NATO e UE, o país só é reconhecido como tal por 113 dos 193 Estados da ONU até ao momento. Dos 28 membros da UE, cinco (Espanha, Roménia, Chipre, Grécia e Eslováquia) não reconhecem ainda hoje o Kosovo.

A Rússia, aliada da Sérvia, usou o reconhecimento do território para calar os líderes dos países que criticaram a anexação russa da Crimeia durante o conflito na Ucrânia, alterando pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial as fronteiras da Europa. O facto de agora se discutir o próximo alargamento, com a Sérvia a poder entrar na UE possivelmente no ano de 2025, levou o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão a dizer nesta semana que o reconhecimento do Kosovo é condição para a Sérvia poder entrar no clube europeu.

"Se a Sérvia quer andar na direção da União Europeia, é condição a primazia do Estado de direito, mas também a aceitação da independência do Kosovo", afirmou na quarta-feira Sigmar Gabriel. O presidente sérvio recusou a ideia. "Se não houver um compromisso haverá um conflito congelado durante décadas e décadas", declarou Aleksandar Vucic. A Guerra do Kosovo fez 13 mil mortos e, durante 18 anos, a missão da NATO (a KFOR) contou com um contingente militar português. Questionado pelo DN sobre o futuro alargamento da UE, o ministro Santos Silva lembrou que a Sérvia é neste momento país candidato, mas o Kosovo não. "Não sei como será daqui a 20 anos. Mas neste momento a adesão do Kosovo é uma questão que não se põe."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.