Detido homem suspeito de assassinar menino de 11 anos há duas décadas

Jos Brech, suspeito de ter assassinado uma criança de 11 anos em 1998, foi detido em Espanha. ADN confirmou ser ele o autor do crime

"Jos B., de 55 anos, suspeito da morte de Nicky Verstappen, foi detido em Espanha no domingo à noite. Foi detido e será entregue em Holanda", segundo um comunicado da polícia de Limpburg.

Desde quarta-feira que o homem se encontrava na lista dos mais procurados da Interpol.

O maior programa de testes de ADN alguma vez feito na Holanda permitiu chegar a Jos Brech, suspeito do homicídio de Nicky Verstappen, de 11 anos.

O rapaz desapareceu de um acampamento juvenil em agosto de 1998 e o seu corpo descoberto um dia depois com sinais de abuso sexual a alguns quilómetros do acampamento.

Foi interrogado em 1998

Jos Brech vivia a 13 quilómetros do local e foi interrogado três vezes, a primeira das quais dois dias após o crime, quando foi descoberto pela polícia a rondar o local do crime. Brech disse então que estava apenas a apanhar ar.

Vinte anos depois, e depois da recolha massiva de amostras de ADN iniciada em maio de 2017 foi possível chegar um familiar do suspeito e daí a um chalet que de Jos Brech no noroeste de França onde foram encontradas provas de ADN que correspondem às que foram encontradas no local do crime.

Jos Brech estava desaparecido desde abril, e foi reconhecido por uma testemunha que o reconheceu numa fotografia divulgada pela imprensa, acrescentaram as autoridades espanholas no momento da detenção.

"Temo-lo. Jos Brech foi detido em Espanha, perto de Barcelona", disse Peter R. de Vries, jornalista e porta-voz da família da criança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.