D. Joãozinho oferece quadros de D. Pedro II para ajudar a reerguer o museu nacional

Descendente da família real brasileira garantiu que vai ajudar na reconstrução do museu nacional. E lamentou a má gestão de dinheiro no país.

"Chocado, triste e com raiva". Foi desta forma que D. João Henrique de Orleans e Bragança disse sentir-se após visitar o que restou do Museu Nacional do Brasil destruído por um incêndio que deflagrou no domingo. Trineto de D. Pedro II e bisneto da princesa Isabel, o empresário e fotógrafo afirmou que pretende emprestar parte do espólio da família para ajudar a reerguer a instituição fundada por D. João VI, em 1818.

Citado pelo jornal O Globo D. Joãozinho, como é conhecido, disse esperar que este incêndio seja "um marco para a reconstrução de valores do povo brasileiro".

Lembrou também que o trisavô quando foi para o exílio - D. Pedro II que foi o último imperador do Brasil foi deposto em 1889 e morreu em Paris em 1891 - deixou grande parte do seu espólio no país.

Agora, o empresário diz que quer ajudar a reconstrução do museu cedendo quadros e fotos de D. Pedro II.

"O leite está derramado. Quem quer que diga que o prédio vai ser reconstruído não está dizendo a verdade. Este é um reflexo do Brasil de hoje, todo o mundo é culpado. O Brasil tem dinheiro, mas ele é mal gasto, jogado fora", concluiu.

No fogo que destruíu grande parte do palácio situado na Quinta da Boa Vista (Rio de Janeiro) perderam-se milhares de peças de um espólio que começou a ser reunido há mais de 200 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.