D. Joãozinho oferece quadros de D. Pedro II para ajudar a reerguer o museu nacional

Descendente da família real brasileira garantiu que vai ajudar na reconstrução do museu nacional. E lamentou a má gestão de dinheiro no país.

"Chocado, triste e com raiva". Foi desta forma que D. João Henrique de Orleans e Bragança disse sentir-se após visitar o que restou do Museu Nacional do Brasil destruído por um incêndio que deflagrou no domingo. Trineto de D. Pedro II e bisneto da princesa Isabel, o empresário e fotógrafo afirmou que pretende emprestar parte do espólio da família para ajudar a reerguer a instituição fundada por D. João VI, em 1818.

Citado pelo jornal O Globo D. Joãozinho, como é conhecido, disse esperar que este incêndio seja "um marco para a reconstrução de valores do povo brasileiro".

Lembrou também que o trisavô quando foi para o exílio - D. Pedro II que foi o último imperador do Brasil foi deposto em 1889 e morreu em Paris em 1891 - deixou grande parte do seu espólio no país.

Agora, o empresário diz que quer ajudar a reconstrução do museu cedendo quadros e fotos de D. Pedro II.

"O leite está derramado. Quem quer que diga que o prédio vai ser reconstruído não está dizendo a verdade. Este é um reflexo do Brasil de hoje, todo o mundo é culpado. O Brasil tem dinheiro, mas ele é mal gasto, jogado fora", concluiu.

No fogo que destruíu grande parte do palácio situado na Quinta da Boa Vista (Rio de Janeiro) perderam-se milhares de peças de um espólio que começou a ser reunido há mais de 200 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.