Críticas e ameaças de oradores levam New Yorker a desconvidar Stephen Bannon

Revista tinha convidado estratega de Donald Trump para uma entrevista no seu festival. Contestação e ameaças de outros oradores de que faltariam ao evento fizeram responsáveis mudar de opinião

Stephen Bannon já não vai participar em outubro no festival da New Yorker. O convite ao antigo estratega do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi retirado depois de vários participantes terem ameaçado não marcar presença no evento da revista.

O ator e comediante Jim Carrey, o realizador Judd Apatow e a vencedora de um Pulitzer Kathryn Schulz divulgaram nas redes sociais o seu desagrado pelo convite efetuado ao ex-assessor de Trump frisando que não estariam presentes no festival que vai decorrer entre 5 e 7 de outubro.

O convite a Stephen Bannon tinha sido justificado pelo editor-chefe da revista David Remnick com o facto de ter a intenção de "lhe colocar perguntas difíceis e de ter uma conversa séria e combativa".

A entrevista perante uma audiência ao vivo colocaria, segundo Remnick, "uma maior pressão na conversa o que não acontece numa entrevista a sós. Não podes 'saltar' entre o on e o off record".

No entanto, as declarações sobre a extrema-direita e os laços que tem com grupos nacionalistas e de extrema-direita fazem de Bannon uma figura pouco consensual.

Após ser anunciada, pelo New York Times, a presença de Bannon a escritora Kathryn Schlz publicou no Twitter que adora trabalhar na New Yorker, mas que estava "muito chocada com isso [o convite]. E já deixei isso claro a David Remnick".

A esta publicação a vencedora do prémio Pulitzer em 2016 - com uma peça sobre a probabilidade de um grande sismo atingir a costa oeste dos EUA - acrescentou: "Adoro a revista e diariamente agradeço por fazer parte dela. Mas, também acredito que devemos às coisas que amamos críticas honestas. E obediência à nossa consciência."

Na segunda-feira, numa nota em que anunciou o cancelamento da entrevista, Remnick justificou o convite. Disse que não estava a oferecer uma plataforma para Bannon falar das suas ideias sobre o "nacionalismo, racismo, antissemitismo" e que "entrevistar Bannon não é apoiá-lo".

Frisou ainda não querer que "leitores e funcionários bem-intencionados pensem que ignorei as suas preocupações. Pensei nisso e conversei com colegas e reconsiderei. Mudei de ideias. Os nossos escritores já entrevistaram Stephen Bannon para a New Yorker anteriormente e eu, se a ocasião se proporcionar, irei entrevistá-lo num ambiente mais jornalístico e não no palco".

Bannon dirigiu a campanha de Donald Trump nos meses finais das eleições presidenciais e foi o principal estratega da Casa Branca até agosto de 2017.

Num comentário ao facto de ter sido "desconvidado", Bannon frisou: "A razão para ter aceitado o convite foi simples: estaria enfrentando um dos jornalistas mais destemidos da sua geração. No que chamaria um momento decisivo, David Remnick mostrou que é um covarde quando confrontado pela multidão online uivando".

O caso Le Pen em Portugal

Este caso que envolve Stephen Bannon e a New Yorker acontece menos de um mês depois de a organização da Web Summit que vai ter lugar em Lisboa entre 5 e 8 de novembro ter retirado o convite a Marine Le Pen para discursar num dos dias do evento.

Paddy Cosgrave, responsável pela organização do evento, tinha convidado a líder do partido Reunião Nacional (antiga Frente Nacional) mas depois de muita contestação a essa decisão acabou por anunciar que Marine Le Pen já não fazia parte do lote de oradores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).