Crise no governo britânico. Votação do Brexit adiada

Theresa May tinha dito na quarta-feira que o projeto de lei sobre a retirada do Reino Unido da União Europeia iria ser publicado amanhã. Em mais um revés para a líder conservadora, o governo anunciou agora que o projeto de lei não tem data de publicação.

A primeira-ministra britânica Theresa May adiou a votação dos deputados sobre o novo projeto de lei do Brexit. O texto foi objeto de críticas da oposição trabalhista e sobretudo dos eurocéticos do seu Partido Conservador, o que levou à demissão, na quarta-feira à noite, da líder da Câmara dos Comuns, Andrea Leadsom. A ministra encarregada dos assuntos parlamentares explicou na quarta-feira à noite a renúncia, tendo mostrado a discordância com as alterações propostas por May e, por outro lado, alegado não acreditar que o Parlamento aprove o projeto de lei.

Estava previsto que o projeto de lei fosse discutido e votado na primeira semana de junho, mas não está na agenda anunciada pelo governo aos deputados. "Vamos informar a Câmara sobre a publicação e introdução do projeto de lei sobre o Acordo de Retirada após a pausa parlamentar", agendada até 4 de junho, disse o whip (deputado responsável pela disciplina de voto) Mark Spencer aos deputados.

Este adiamento surge no dia das eleições europeias no Reino Unido. Segundo as sondagens, os conservadores poderão ficar em quinto lugar, resultado que deixará May ainda mais fragilizada.

O plano de May para levar a votos a concretização do Brexit prevê uma série de compromissos, sendo os mais importantes a possibilidade de votar num segundo referendo e de permanecer numa união aduaneira temporária com a UE. A cedência, contudo, virou defensores do Brexit como Andrea Leadsom a revoltarem-se.

Na quarta-feira à noite o Comité 1922, grupo de deputados conservadores que não desempenha cargos no governo, reuniu-se para discutir uma mudança nas regras para permitir nova moção de censura em menos de um ano e depor a primeira-ministra.

O presidente do comité, Graham Brady, anunciou que vai reunir-se com Theresa May na sexta-feira. Segundo o que um deputado disse à ITV, os deputados pronunciaram-se sobre a mudança de regras e selaram os votos num sobrescrito. Se a primeira-ministra não anunciar a demissão até sexta-feira, os envelopes serão abertos.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.