Kim Jong-Un afirma que teste nuclear foi vitória conseguida à custa de sangue

O líder da Coreia do Norte considerou uma "grande vitória" o sexto teste nuclear realizado pelo país, no domingo passado, admitindo que foi feito "à custa do sangue" dos norte-coreanos.

Num banquete realizado hoje na capital, Pyongyang, para assinalar o 69.º aniversário do país, Kim Jong-Un afirmou que o teste foi "uma grande vitória conseguida pelo povo coreano à custa do seu sangue".

O teste com uma bomba de hidrogénio foi o mais potente já realizado pelo regime norte-coreano e suscitou a condenação da comunidade internacional, aumentando a tensão na região.

Kim Jong-Un apelou aos engenheiros para "redobrarem o esforço sem perder o espírito demonstrado" no que chamou "um grande evento da história nacional".

Nas imagens do banquete divulgadas pela televisão estatal, vê-se Kim Jong-Un a ser recebido com aplausos pelos participantes, ladeado por representantes do exército, do partido único e pelos responsáveis pelo programa nuclear.

O regime defende que as armas nucleares tornam o país "mais seguro" e pretende criar um arsenal mais sofisticado.

Na segunda-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se para votar sanções adicionais à Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...