Concerto de Mariza em Paris adiado devido à manifestação dos "coletes amarelos"

Fadista portuguesa ia atuar amanhã na Salle Pleyel, muito perto dos Campos Elísios

A fadista Mariza adiou o concerto que tinha marcado para amanhã, na Salle Pleyel, em Paris, muito perto dos Campos Elísios, para onde estão previstos novos protestos dos coletes amarelos, este sábado. O evento, que estava esgotado, assinalaria o fim de uma pequena digressão da fadista em França. O concerto já foi remarcado: será a 8 de março, no mesmo espaço da capital francesa.

Segundo um comunicado da Salle Pleyel o concerto foi adiado "de modo a garantir a segurança e o conforto dos espetadores", tendo em conta as manifestações que vão decorrer durante o dia de amanhã.

Este não é o único evento associado a Portugal a ser cancelado devido às manifestações dos coletes amarelos, este sábado. Também a entrega de prémios da Associação Cap Magellan aos melhores alunos de português em França, que decorreria na manhã de sábado no Consulado-Geral de Portugal em Paris, foi anulada.

Em comunicado enviado à Agência Lusa, a associação justifica o cancelamento do evento com "o risco de desacatos e violências" que considera "muito preocupantes". A entrega dos prémios para os melhores alunos de português acontecerá em janeiro de 2019, não havendo para já uma data definitiva.

No sábado, teme-se mais cenas de violência, já que ao movimento juntaram-se grupos de jovens encapuzados, associados à extrema-direita e à extrema-esquerda.

Há três semanas que os franceses saem à rua, bloqueando rotundas e autoestradas do país, primeiro para exigir a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis, mas depois também para denunciar o empobrecimento. Na passada semana, as manifestações acabaram numa batalha campal entre grupos de manifestantes e a polícia, que usou gás lacrimogéneo, granadas de atordoamento e canhões de água para dispersar os protestos.

A capital francesa prepara-se agora para o quarto sábado consecutivo de protestos. Nas ruas de Paris vão estar oito mil polícias, apoiados por uma dúzia de veículos blindados. Os principais monumentos da cidade vão estar fechados, assim como restaurantes e lojas nas proximidades dos Campos Elísios e nas principais zonas comerciais da cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.